Lágrimas

Na reportagem que ontem passou na Antena 1 a Cidália foi entrevistada e, entre lágrimas – que podendo até ser genuínas soam sempre a algo que fica bem quando se dá uma entrevista na rádio -, a presidente queixou-se que o incêndio destruiu um “castelo vivo” e que “destruiu história e aqui na Marinha Grande…

Veja mais

Registadora

Neste momento Paulo Gonzo canta para 250 pessoas. Seria interessante que na próxima reunião de câmara fossem exibidos os registos da quantidade de bilhetes que foram vendidos no local de venda habitual, quantos foram entregues aos eleitos e qual a receita real de bilheteira. Claro que esta é uma ideia que não poderá levar a…

Veja mais

Quezílias

De certo modo sentimos que a oposição estava unida na defesa dos interesses dos munícipes. Tendo a maioria, chegámos a achar que havia um acordo, ainda que não escrito, entre os elementos da oposição que iriam permitir que houvesse uma posição mais ou menos consensual entre os elementos da oposição. Amanhã irá poder ler-se um…

Veja mais

Os votos

Em democracia, nas autarquias, governa o partido que teve mais votos. É assim que funciona, goste-se ou não. Desde que foram as eleições que se tem ouvido o discurso de que se quer consensos, que a opinião da oposição é tida em conta, mas na realidade não se tem notado isso. Nota-se por parte de…

Veja mais

Tolerância

Tirando o ano em que o Passos não deu tolerância de ponto, em 2012, tem sido hábito o Governo conceder o direito de os funcionários públicos ligados ao Estado e institutos públicos poder fazer gazeta no dia de Carnaval. No fundo é conceder-lhes o direito de alguns irem estar até tarde a fazer figuras tristes…

Veja mais

Detalhes

Já antes escrevemos que a surpresa deste executivo está a ser o Caetano. Não podemos ainda dizer que fez muita coisa, mas, ao contrário do que estávamos à espera, está a mostrar uma preocupação em dar explicações e não se escudar nos regimentos para não explicar aquilo que tem a explicar. Está, sem dificuldade, a…

Veja mais

Mandar calar

A insegurança, a pouca firmeza de argumentos, a falta de capacidade de argumentação levam muitas vezes aqueles que detêm o poder a exercerem esse mesmo poder para mandar calar os outros. É normal dizer-se que incompetência rima com prepotência. Hoje é de todos conhecida a forma como a presidente conduz as reuniões de câmara. Seguindo…

Veja mais

Começar pelo telhado

A expressão ‘começar a casa pelo telhado’ tem momentos em que encaixa que nem uma luva em coisas que acontecem aqui na terra. Referimos, desta vez, ao que se passa com as obras no centro de saúde que não vão começar tão cedo. Sabe-se que o edifício é do Ministério da Saúde e que a…

Veja mais

À boleia

Amanhã vai poder ler-se a Alexandra criticar a Cidália de andar a reboque ou à boleia do que vai acontecendo. A Ana acusa-a de instrumentalizar a CPCJ e já na semana passada o Aurélio afirmava que ela está longe daquilo que o concelho necessita. A favor da presidente está o facto de poder usar o…

Veja mais

Médico doente!

Com o frio que está, poucos são os que não andam de pingo no nariz. Calhou a um de nós ter que ir ao centro de saúde. Viagem à senhora da asneira. Pelo que fomos informados quando lá chegámos, não tendo médico de família, pedimos para sermos atendidos por um médico que estivesse de serviço…

Veja mais

As gravações

A transmissão das reuniões de câmara e a sua não gravação tem dito muito sobre os eleitos. Por um lado a Cidália tem-se agarrado ao que foi forçada a aceitar, a transmissão, para que apenas transmita e não disponibilize a gravação aos que não podem assistir em directo. Fez o que lhe foi imposto e…

Veja mais

“A minha rua”

Há uma nova funcionalidade à qual os munícipes podem aceder para “reportar as mais variadas situações relativas a espaços públicos, desde a iluminação, jardins, passando por veículos abandonados ou a recolha de electrodomésticos danificados”. Para isso basta que acedam ao portal do cidadão numa secção designada “a minha rua”. Ali podem encontrar-se os diversos distritos…

Veja mais

O um e a outra

Temos, quando os factos revelam que estamos errados em relação ao que pensávamos que iria acontecer, o dever de reconhecer que estávamos errados. Já hoje o demos a entender, mas devemos assumir que pensámos algo que não se está a confirmar. Referimo-nos ao que pensávamos que iria ser o desempenho do Caetano. O seu desempenho…

Veja mais