FOMOS AO TEATRO…!

No passado fim-de-semana (DOMINGO 9) decidimos ir ao teatro. E em boa hora o fizemos! Fomos ao Auditório José Vareda – Sport Operário Marinhense, assistir à peça, “A SOPRAR SE VAI AO LONGE -25 ANOS.” Uma peça que foi lavada à cena pelo Grupo de Teatro do SOM, Autoria e encenação de Norberto Barroca. Foi…

Veja mais

O lixo continua

Hoje, uma vez mais, nos enviaram mais uma foto do que se pode ver junto a um recipiente de lixo. Cheio e, quando a foto nos foi enviada, ainda não era meio dia. Será de prever que amanhã o lixo esteja no chão não porque há falta de cuidado dos munícipes, mas porque não podem…

Veja mais

O chuto

O Romeira, que passou a perna ao ex-presidente da concelhia do PSD nas autárquicas e conseguiu colocar um elemento do MPT na Junta, levou também ele um chuto e foi expulso da Comissão Nacional do MPT. Ao mesmo tempo, a decisão que esteve para ser tomada de retirada de confiança ao Rainho, não se concretizou…

Veja mais

Cambalhota

A disciplina de voto faz com que alguns eleitos tenham que fazer umas cambalhotas e piruetas que os transformam em ‘troca tintas‘. Hoje isso aconteceu com a Lara. Por uma questão de respeito pelas instituições, designadamente dos membros da AM, não tornamos já público o orçamento que foi aprovado, mas fá-lo-emos assim que esteja na…

Veja mais

Uns têm…

Como já mais ou menos se desconfiava, o PCP deu uma enorme cambalhota ao permitir que o orçamento passasse. Quem leu uma proposta e outra fica com a clara noção que nada mudou a não ser a formatação do documento. A ausência da Alexandra tem uma leitura clara: a de discordância com a posição do…

Veja mais

Sem dignidade

Ontem teve lugar a assinatura da escritura de compra da FEIS. Como sempre afirmámos, é uma compra em relação às qual pouco há a dizer. É algo que há muito deveria ser já património municipal. Pena que não haja ainda nada planeado para lá. De qualquer modo, a compra está feita. É um pedaço de…

Veja mais

Presente de Natal, envenenado

Estamos a chegar ao Natal e com ele veio o presente da Cidália aos vereadores da oposição. Mandou-lhes mais de 360 páginas para analisarem para que amanhã possam discutir e votar o orçamento para o ano que vem. Naturalmente que cabe aos eleitos analisar o extenso documento e tomarem posição. Mas o ‘presente’ foi um…

Veja mais

Quanto custam

A quantidade de reuniões que tem existido traduz-se, para os eleitos, numa fonte de rendimento suplementar interessante. Este anos os eleitos sem pelouro já arrecadaram, cada um, 3.090,15 euros pelas nas deslocações às reuniões de câmara. Tendo em conta a duração normal de uma reunião de câmara, o custo hora de cada vereador sem pelouro…

Veja mais

Enxaqueca

Cremos que a Cidália poderá passar o fim de semana com uma enorme enxaqueca. Vamos por partes. As reuniões de câmara são ordinárias e extraordinárias. Estas últimas devem apenas ter lugar em situações de urgência e com carácter muito excepcional. Este ano já vamos com 45 reuniões, sendo que 17 foram extraordinárias. Ou seja, aquilo…

Veja mais

E agora?

A informação que tornámos pública sobre a recusa do PCP em aceitar pelouros, terá causado estranheza no seio do ‘núcleo duro’ do partido porque era informação que não queriam que viesse a público. É estranho que tenham querido manter esta informação escondida dos eleitores. A forma como os que mandam se escondem do que deveria…

Veja mais

O postal

A câmara começou já a enviar para alguns munícipes um ‘postal’ de boas festas. Bem sabemos que tudo poderá ser reconduzido a ser tudo uma questão de gosto, mas é com desgosto que vemos desaparecer o brasão do concelho das mensagens e documentos que saem da câmara. Já antes nos referimos a isso, mas agora…

Veja mais

A oferta

Uma vez mais há coisas que não se entendem. Quando um eleito se candidata fá-lo para que possa desempenhar a sua função em prol da população que os elege. O problema surge quando as máquinas partidárias se sobrepõem a essa vontade e dever que os eleitos têm. A Alexandra poderia ter recebido uma prenda de…

Veja mais

Cada macaco…

Costuma-se dizer que ‘cada macaco no seu galho‘ (isto antes do PAN conseguir o absurdo que quer). Diz-se isto sempre que alguém se quer referir ao facto de cada um dever desempenhar a função para a qual está habilitado. Não, não vamos falar na Cidália porque aí é claramente um macaco fora do galho! Referimos…

Veja mais