Chumbou

A votação acabou já tarde e orçamento não passou. Com os votos do PS e PSD a favor e o PCP, MpM e + Concelho a votarem contra, o primeiro orçamento apresentado pelo Vicente chumbou. Fica por saber se o Vicente vai sentir este chumbo como uma “moção de censura” à sua governação e se…

Veja mais

Os decisores

A decisão pelo “sim” ou pelo “não” de um orçamento municipal é, sem dúvida, aquela que mais peso tem na vida da autarquia e de todos nós. Dessa decisão depende praticamente tudo o que irá acontecer no ano seguinte. Quem já leu o documento fica com a sensação de que aquela é uma matéria que…

Veja mais

Um olhar pelo tempo

Dependendo do que logo for decidido, o Vicente poderá ter os dias contados à frente da câmara. A partir do momento em que está em funções como presidente sem que para isso tenha sido eleito, a possibilidade de ver hoje o orçamento rejeitado equivalerá à exibição de um cartão vermelho que, necessariamente, deverá levá-lo a…

Veja mais

À espera

E agora estamos todos à espera da decisão que Cavaco vai tomar. Cabe a ele, infelizmente, a decisão sobre o que será o futuro próximo do país. Não será presidente por muito mais tempo mas ainda está nele a decisão sobre o que irá acontecer. Seja qual for a decisão que tome, ele será sempre…

Veja mais

“Vicentinas”

Há dias, enquanto tomava o café, o adjunto fez referência a uma proposta do orçamento participativo de Amarante que vai gastar quinze mil euros em bicicletas para incentivar os turistas e promover a mobilidade urbana. Sendo esta uma terra que tem na sua história o recurso diário à bicicleta, é uma que poderia ser aplicada…

Veja mais

Sem propostas

Segunda-feira, à noite, o orçamento irá ser discutido. Se da parte dos movimentos não se espera que haja desentendimentos entre o que será a posição do vereador e a dos deputados, o mesmo deverá acontecer com o PCP. Votem contra ou a favor, o voto deverá ser no mesmo sentido num e noutro local. A…

Veja mais

Como é?!

É provável que entretanto seja corrigido mas quem até agora visitou a pagina do Facebook do MpM ficou a saber que o Jorge tem um papel mais activo no movimento do que o que se poderia esperar. Chega ao ponto de o seu nome ser o que consta na identificação. Se alguém tinha dúvidas quanto…

Veja mais

Mais divergências!

Ontem soube-se da divergência que existe entre o que é a posição da concelhia do PSD relativamente ao orçamento, que terá decidido votar contra mesmo que ainda não se tenha acesso à proposta definitiva, e o que é a posição do vereador. Pelo que agora temos conhecimento, a divergência de opiniões vem desde há mais…

Veja mais

Divergências

Não! O Santos e o Pedro não andaram à pancada mas pouco faltará! Já há alguns dias que se ouve falar que existe desentendimento entre o que é a opinião do vereador e o que pensa o presidente do partido a propósito do orçamento que dentro de dias deverá ser discutido. Se há uns dias…

Veja mais

A moção do PEV

Nas eleições legislativas, realizadas no passado dia 4 de outubro, foram escolhidos 230 deputadas e deputados para a Assembleia da República. Do resultado eleitoral, decorreu uma nova correlação de forças no parlamento português, traduzida, de forma muito clara, na rejeição das políticas praticadas na legislatura anterior. Com efeito, no decurso da campanha eleitoral, PSD e…

Veja mais

A moção do PCP

O XX Governo Constitucional não tem legitimidade política nem constitucional. A coligação PSD/CDS perdeu as eleições de 4 de outubro. De facto a votação obtida traduziu-se na perda de mais de 700 mil votos (tendo a coligação no seu conjunto ficado abaixo da votação que o PSD sozinho havia obtido em 2011), na redução de…

Veja mais

A moção do BE

Considerando que o resultado das últimas eleições legislativas demonstrou uma enorme vontade de mudança e abriu a possibilidade da sua concretização, criando uma legítima esperança num novo ciclo político. Considerando a derrota da coligação de direita, que perdeu mais de 700 mil votos e a maioria absoluta na Assembleia da República, tendo passado de 132…

Veja mais

A moção do PS

Exposição de motivos I. Entre 2011 e 2015, o governo da XII legislatura usou o programa de ajustamento negociado com a troika como pretexto para implementar uma agenda radical e experimentalista, que foi muito além do que o programa previa, não por necessidade, mas por uma consciente e deliberada opção ideológica. O corte nos rendimentos…

Veja mais