De fome a fartura

Não, o Vítor não está assim tão disforme nem tão gordo. Apesar de ter inchado um pouco desde que é vereador, ainda não se nota diferença no seu aspecto. Mantém as mesmas sapatilhas de sempre e a mesma aparência. A imagem tem a ver com um dito popular que diz que não há fome que…

O sorteio das nomeações

Quando o Álvaro iniciou este mandato decidiu reconduzir a Tereza e nomeou o Amândio. Nem um palavra disse quanto às razões das nomeações. Escudando-se sempre no argumento de que as nomeações são matéria da sua competência, nunca explicou o porquê de ter colocado ao seu lado quem colocou. Se em relação à Tereza se sabe…

Desculpas? Para quê?

Alguns saberão a que diz respeito o texto da imagem. Quem tiver a agenda cultural de Dezembro verá que está lá isto. Perguntarão alguns porque é que isto aqui aparece? Simples! Era uma das programações culturais para o mês que passou. Seria uma sessão de cinema para os mais pequenitos. O problema foi que a…

Mudam-se os tempos…

“Li atentamente a vossa entrevista ao Dr. Aurélio Ferreira… como tenho lido as notícias e estado atento às movimentações políticas (partidárias e cívicas) com vista às próximas autárquicas. É publicamente conhecida a minha proximidade ideológica e partidária ao PS, nacional e local. A seu tempo, considerei que as eleições autárquicas de 2005 tinham sido decididas…

Competência exclusiva

No final do ano foi escolhida a palavra que os portugueses acham que melhor caracterizou o ano: corrupção. Por cá não nos parece qque o termo tenha aplicação. Ontem ficámos a saber que o que é de maior agrado do Álvaro é o seguinte: “competência exclusiva”. Sabe-se que há assuntos e competências que não podem…

Os apoios e a falta deles

Apesar dos muitos erros que vão sendo cometidos pelos membros do executivo camarário, não consideramos que algum deles faça as coisas por maldade ou com intenção clara de prejudicar. Tendo esse pressuposto em mente, a questão, mal explicada, de alguns apoios que não são atribuídos sempre nos fez alguma confusão. Quando se trata da utilização de…

Cuspir no prato

Há uns dias lemos uma publicação de indignação por a um “sem abrigo” ter sido aplicada uma coima (com despesas) de 112,50€ por estar a arrumar carros junto de um supermercado. Quando lemos o texto pensámos que seria por questões de dinheiro que ele tinha sido escrito. Mas que importa a um “sem abrigo” que…

Só porque sim!

Quando olhamos para as decisões que são tomadas pela câmara esperamos sempre encontrar um fundamento. Justificar o porquê de ser decidida alguma coisa é a única forma que os munícipes têm para poderem saber qual a razão que sustenta essa decisão. Tínhamos assistido à reunião de câmara que deliberou atribuir apoios a alguns clubes. Apesar de…

Má gestão dos cemitérios

Continuamos a ser uma terra que tem uma atenção especial com os seus mortos. Ainda que para muitos possa ser um assunto irrelevante, não o deveria ser para quem manda. Não, não vamos voltar a falar no jazigo que, um ano depois, está ainda sem solução. Esse será um assunto que irá ser arrastado até…

TUMG levada ao colo

 Quem procurar um pouco encontra isto: “As empresas locais, tanto nas relações com os sócios como com terceiros, estão sujeitas às regras gerais da concorrência, nacionais e comunitárias, e devem adotar mecanismos de contratação transparentes e não discriminatórios, assegurando igualdade de oportunidades aos interessados, nos termos legalmente previstos“. Este texto é tirado de uma das…

Sem programação

No final do ano, a câmara deu um novo visual ao site institucional. Tivemos a esperança que a falta de informação actualizada fosse algo que tivesse apenas a ver com a mudança de visual e que em poucas horas tudo seria ultrapassado. Não foi! Mas esta falta de informação levou-nos a tentarmos ir saber o…

As contas

O ano começa e com ele deveria começar uma nova vida. Para alguns assim será mas não acreditamos que alguma coisa mude no que diz respeito a quem manda. Não sabemos como foi a passagem de ano dos que mandam porque, como nada foi organizado por eles, também não tivemos interesse em sabê-lo. Sabemos que…

De sonho a pesadelo

Quando hoje acordámos ficámos sem perceber muito bem se o que tínhamos vivido era sonho ou realidade. Acontece às vezes sentirmos isso. Desta vez a sensação com que acordámos foi a de que tínhamos passado o ano no centro tradicional porque a câmara se tinha dado ao trabalho de organizar algo para que ali se juntassem…