Nelson

Há pouco lemos um texto do Chefe de Gabinete da Cidália, o Nelson, onde diz que “Em pouco mais de um ano a Presidente Cidália Ferreira fechou esse processo com o Banco e promoveu a transferência deste Património para a Câmara Municipal. Ao fim de dois anos, não se fez nada? Tentou fazer-se um estudo de viabilidade para a criação de um espaço multifuncional voltado para a Educação (ensino superior), Formação, Artes, etc… mas que foi travado pela maioria na oposição… como sempre!“. Tendo em conta o que se tem passado, começamos a ter receio que possa estar a ficar sem memória. Pode também ser o aproximar de eleições! Em Novembro do ano passado a Cidália afirmava que “adquirimos a FEIS para criar uma centralidade, a que abriremos, tal como já aqui tem sido dito, a discussão para que se aponte a requalificação pretendida para aquele local“. Já antes, em Setembro, dizia que “O procedimento para o Polo tem que ser visto em função da discussão que se fizer para o projeto a instalar na FEIS”, isto referindo-se à Albergaria Nobre. Já este ano a Patrícia apresentou uma proposta mais ou menos detalhada para recuperação da FEIS, proposta que não teve seguimento. Em Junho deste ano a Cidália afirmava que “o combinado foi ser pedido um estudo para se ver o que se poderá fazer. Vai ver o ponto de situação para se poder conversar sobre o assunto”. Já em Novembro a Cidália foi questionada sobre o tal estudo, sem que tivesse dado resposta. Mas nada aconteceu. Ou seja, não conseguimos encontrar local algum onde tivesse sido cumprido aquilo que a Cidália prometeu fazer ou mesmo aquilo que foi combinado. Vir o Chefe de Gabinete agora afirmar publicamente o que afirmou revela uma falta de memória apenas compatível com uma total ausência daquilo que nos faz manter as memórias. Por outro lado, a afirmação de que foi a Cidália quem conseguiu fechar o negócio da FEIS é apenas para rir. Quem não se recorda que foi no mandato anterior que toda a negociação foi feita e que a formalização da compra apenas não teve lugar porque havia problemas que envolviam o banco e que foram ultrapassados sem que tivesse que haver intervenção da autarquia? Em política não devia valer tudo, mas depois do que se tem visto acontecer no EUA, parece ser claro que a realidade alternativa de alguns parece estar a querer instalar-se, qual vírus sem vacina no horizonte. Tudo isto vindo do Chefe de Gabinete e de quem ainda está à frente do PS local, é preocupante.


Seguir
( 2 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

14 comentários

  1. Este rapazola, é de uma desonestidade intelectual gritante!
    Um rato de partido, que não olha a meios para atingir os fins…
    O PS local deveria ter vergonha dar palco a este indivíduo. Deveria estar no desemprego, para ver o que a vida custa. Sem esquemas ou negociatas.
    Este e o Testa, foi do pior que podia acontecer à Marinha Grande. 2 boys oportunistas da pior espécie.
    Há que varrer estas figuras daqui para fora. Urgentemente!

    13
  2. O dr. Araújo vai revelando o seu mau carácter, mesmo antes de se tornar o Trump cá da terra.. Imaginem se lhe derem mais poder, o que será da democracia no concelho!!

  3. Mentira com perna curta. Substima mesmo o povinho. Deve achar que somos iguais aos seus pais que se vendem por um prato de lentilhas.

  4. Não sei se ria, se chore, tal a safadeza deste personagem. Não pode com a Cidália, mas como sem ela não há tacho, vem defende-la e o indefensável. A Cidália disse assim que assinou a escritura que a requalificação da FEIS iria começar com a participação e discussão pública o que achei muito bem, mas perante a incapacidade de liderar processos de discussão seja do que for, abortou essa ideia. Deu a entender que não iria impor o tal projeto de ensino superior, mas pergunto, que projeto de ensino superior? O IPL por acaso já se comprometeu com alguma coisa? Ou a Cidália sonhou? Depois o estudo. Se quisesse encomendar um estudo já.o teria feito. O problema é que não sabem fazer nada.

  5. Já aqui disse e volto a dizer: “Eu espero que quem governa a Marinha Grande, esteja no executivo esteja na oposição, esteja na câmara ou na assembleia municipal , perceba que este é o projeto mais importante que a Marinha Grande vai ter nos próximos 50 anos e aquele que tem, só por si, a força de transformar a cidade e o concelho como nenhum outro teve ou vai ter. Espero que percebam que não vai poder ser o “achometro” a ditar o que fazer e que este projeto merece uma abordagem muito mais profissional do que alguma vez foi feito nesta terra.
    Se houver dinheiro bem gasto eu diria que será na contratação de uma boa equipa de profissionais para estudar e pensar este projeto e ao mesmo tempo o desenvolvimento da cidade e do concelho, transversalmente. Existem em Portugal bons exemplos de projetos transformadores do território que tiveram por base complexos industriais e que mudaram cidades: oliva creative factory, lxfactory, fábrica de lanifícios da Covilhã, Fábrica dos Leões – complexo de artes visuais e arquitetura da universidade de Évora, douros place, só para citar alguns.
    Projetos destes não se compadecem com amadorismos e com o que a presidente da câmara da assembleia ou o líder da oposição acham. Este projeto tem de ouvir as pessoas, que problemas identificam na cidade, que espetativas têm, que necessidades. E quando digo pessoas, digo a pessoa comerciante, a pessoa industrial, a pessoa pedreiro, a pessoa operadora de caixa registadora, a pessoa médico, a pessoa autarca, etc.
    Depois é fazer um diagnóstico e começar a pensar o espaço para as pessoas, para o seu bem estar, para as suas necessidades, para o que fizer mais sentido, numa perspectiva de alavancagem de toda a cidade e concelho.
    Temos todos, TODOS, a responsabilidade de exigir que este projeto seja executado da forma mais criteriosa, transparente e profissional que for possível, de forma metódica e científica, com o máximo seriedade e de criatividade possível. E nem me importava que gastassem meio milhão a pensar e a definir como o fazer, para que ele fizesse voltar a vida que a cidade da Marinha Grande já teve e a transformasse naquela cidade em que é muito bom viver e trabalhar e numa referência para o mundo.”

    Nelson, deixa-te de tretas! Estás a brincar e hipotecar o futuro desta cidade. Ganha vergonha nessa cara e sai de cena. A culpa deste marasmo não é dos outros. É da vossa própria incapacidade, para não dizer outra coisa!
    Aos militantes do PS, à velha guarda, aos que foram sendo afastados por esta gentalha e ainda se preocupam, façam qualquer coisa por favor!

    • Retirando os dois últimos parágrafos, porque, por regra, não fulanizo os problemas, eu subscreveria a 100% o que este anónimo escreveu e é pena, tendo escrito que escreveu, e bem, não tenha dado pai à criança, assinando por baixo.
      Neste grande projecto para a cidade, não há margem para errar.
      Toda e qualquer decisão tem que estar bem escorada num clima de forte envolvimento e concordância dos marinhenses e isso só se consegue se lhes for dada voz.
      Só faz sentido encomendar estudos mais detalhados, se antes os marinhenses participarem na elaboração do caderno de encargos. Definido o que os marinhenses querem para a FEIS, convidem-se gabinetes de grande prestígio para lhe dar forma. Ontem já era tarde.

      • Caro Armando Constâncio, identificar-me é uma liberdade a que não me posso sujeitar já que vivo, remediado, do meu trabalho, sem amigos com influência e dinheiro. Por isso não me posso sujeitar a represálias, principalmente numa altura em que não posso perder trabalho, em que não impera o bom senso e tudo se está a extremar. Isso não quer dizer que aquilo que penso sobre a FEIS e outros assuntos seja menos válido.
        Sobre a “fulanização” e sobre a velha guarda estava também a referir-me a si. Eu não sou militante do PS, mas votei praticamente sempre PS. Até em si votei. Custa-me que ninguém faça nada para travar quem já demonstrou que não serve, e isso só pode ser feito pelos militantes, certo? Custa-me ver chegar o PS local ao que chegou, a câmara ao estado a que chegou, e ver toda a gente a assobiar para o lado, e sem outras alternativas credíveis. A si? Não lhe custa? Ou acha que está câmara tem feito um bom trabalho? Até aquilo que você fez com o Álvaro Órfão está a ir de vela.

  6. Este Nelson é de uma desonestidade política inultrapassável!
    Tendo sido ele Adjunto dos Presidentes Alvaro Pereira e Paulo Vicente, e sendo ele conhecedor das negociações destes com o BCP e o promotor imobiliário para aquisição das instalações da antiga Mortensen, como pode vir mentir tão descaradamente?
    Ele sabe como todos sabemos, pois consta das atas das reuniões da Câmara, que o negócio da aquisição da antiga Mortensen estava, praticamente, enceradas com o BCP em finais de 2016, por um milhão e duzentos mil euros, apenas estando pendente a resolução da ocupação das instalações por parte da viúva e filho do Sr. Mortensen.
    Leiam-se as atas das reuniões da Câmara e pergunte-se aos diretamente envolvidos nas negociações, a Cidália em nada interviu, apenas participado em algumas reuniões da Câmara onde o assunto foi discutido.
    Esta é que é a verdade!

    • A verdade não interessa ao presente.. só a mentira importa reforçar para mediatizar o “esforço” da Cidália Ferreira e viabilizar o conforto do novo tacho para o Dr. Araújo, não será?

  7. Em 25.06.2018, era esta a opinião a opinião do Nelson acerca da Cidália, é bom lembrar para refrescar-nos a memória que qualifica um e outra.

    “ Camaradas e Amigos
    Há seis meses atrás propus-me avançar com uma lista à CPC do PS da Marinha Grande por entender que devia assumir essa responsabilidade perante uma candidatura alternativa que se perfilava de uma forma pouco transparente e que denunciava vir a ser o princípio da instrumentalização dos Órgãos Partidários para fins pessoais (fossem de ambição para o futuro ou de ressabiamento sobre o passado recente).
    O resultado foi o que todos conhecemos.
    A verdade é que o PS na Marinha Grande, pelo menos, desde 2015 que não está bem.
    A divisão criada a quando da disputa federativa Sales / Medeiros deixou marcas até aos dias de hoje.
    Pretendia eu alcançar a união do Partido e a sua revitalização, tarefa que se demonstra quase impossível tal é a desmobilização generalizada dos Militantes e Simpatizantes em relação ao Partido.
    Camaradas e Amigos
    Há seis meses atrás propus-me avançar com uma lista à CPC do PS da Marinha Grande por entender que devia assumir essa responsabilidade perante uma candidatura alternativa que se perfilava de uma forma pouco transparente e que denunciava vir a ser o princípio da instrumentalização dos Órgãos Partidários para fins pessoais (fossem de ambição para o futuro ou de ressabiamento sobre o passado recente).
    O resultado foi o que todos conhecemos.
    A verdade é que o PS na Marinha Grande, pelo menos, desde 2015 que não está bem.
    A divisão criada a quando da disputa federativa Sales / Medeiros deixou marcas até aos dias de hoje.
    Pretendia eu alcançar a união do Partido e a sua revitalização, tarefa que se demonstra quase impossível tal é a desmobilização generalizada dos Militantes e Simpatizantes em relação ao Partido.
    Pretendia eu reforçar o apoio político ao Executivo na Câmara, mas também essa tarefa me parece cada vez mais difícil quando o Executivo, mormente a Presidente, não manifesta disponibilidade para escutar a voz do Presidente da CPC que é também o seu Chefe de Gabinete.
    E este é o ponto chave da minha mensagem hoje a todos vós que me acompanham na Comissão Política.
    Neste momento o Executivo está em «roda livre» e sem qualquer estratégia definida para a Governação.
    As decisões são tomadas de uma forma arbitrária, ao sabor das urgências diárias, sem calendarização de prioridades, sem agendamento político de grandes questões, sem discussão interna.
    O fracasso das negociações com a CDU é também sintomático.
    A verdade é que a Oposição pressente a falta de interesse e de empenho da Presidente em assumir compromissos, em delegar competências… quando nem nos seus próprios
    Neste momento o Executivo está em «roda livre» e sem qualquer estratégia definida para a Governação.
    As decisões são tomadas de uma forma arbitrária, ao sabor das urgências diárias, sem calendarização de prioridades, sem agendamento político de grandes questões, sem discussão interna.
    O fracasso das negociações com a CDU é também sintomático.
    A verdade é que a Oposição pressente a falta de interesse e de empenho da Presidente em assumir compromissos, em delegar competências… quando nem nos seus próprios Vereadores ela tem confiança plena e manifesta.
    O Partido precisa, hoje, mais que ontem, e menos que amanhã, de ter força política não apenas para fora, como também para dentro.
    Se sempre me assumi como candidato para «defender» o Executivo, para dar força e suporte a um Executivo minoritário, e não permitir que este fosse partidarizado, a verdade é que não posso ser cúmplice desta estratégia de «apagamento» do Partido perante o seu Executivo.
    O Partido precisa de reconquistar o seu espaço e de se afirmar perante o seus Eleitos.
    2021 está já aí à porta e por este andar não vamos longe…
    Para além disso, não posso ainda deixar de lamentar tudo quando aconteceu quer na Federação quer no Congresso Distrital em relação às eleições para os Órgãos Distritais e Nacionais.
    A Marinha Grande foi uma vez mais prejudicada e menosprezada por quem deveria olhar para nós com outro interesse e respeito.
    Fiz notar isso quer ao Presidente da Federação, quer à SGA em carta que lhe enviei e à qual nem resposta tive.
    Assim, e em consciência, não posso senão sair de cena.
    Irei apresentar a minha demissão da CPC e assim abrir a porta a que se realizem novas eleições para a CPC o mais brevemente possível.
    E ao contrário de outros, saio para não voltar a entrar, preferindo remeter-me à condição de Militante de base.
    Resta-me agradecer-vos por tudo, sobretudo pelo apoio incondicional que me deram sempre!
    Saudações Socialistas
    Nélson José Nunes Araújo
    Leiria – Marinha Grande “

    • É sempre bom reforçar-se a opinião deste fulano sobre a sua superior hierárquica…ou será que o lugar oferecido nas próximas autárquicas “adoçou” a sua opinião sobre a Cidália? Questões que o Nelson não quer responder aos eleitores curiosos!

  8. A intenção da Cidália de levar para a FEIS valências de ensino superior, nada ter a ver com o IPL.
    A intenção da Cidália é dar ao ISDOM da sua amiga Cristina Simões, diretora do núcleo da Marinha Grande do ISDOM, tambem em simultâneo técnica superior da Câmara e destacada militante do PS, instalações na zona nobre da Cidade na FEIS.
    Marinhenses !!!!! teremos de ter muita atenção e estarmos vigilantes, pois já terão havido conversações entre a Cidália e o ISDOM para a concretização desta aberrante intenção da Presidenta.

    • Não vai à frente. Já se escangalhou tudo antes mesmo de começar. A Cristina entretanto leva um pontapé de tão incompetente que se tornou no ISDOM e de dispensável na Câmara. Melhores dias virão sem estas aves raras da nossa fauna marinhense

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário