Outra porta fechada

CuriosoAM, Luís Guerra2 Comentários


Para dia 29 está convocada Assembleia Municipal. O Guerra fez a convocatória com a menção de que não será permitida a presença de público. Para tal invoca a primeira lei que saiu com regras sobre a situação pandémica que diz que “a obrigatoriedade de realização pública das reuniões dos órgãos deliberativos e executivos, encontra-se suspensa até ao dia 30 de junho“. É sabido que não estamos ainda livres de perigo e que os casos de contágio não permitem brincar com a situação, mas continua a ser difícil de perceber porque motivo não permitem que os munícipes, ainda que remotamente, possam ter intervenção, possa questionar os órgãos municipais com as suas questões. Não está proibida a presença de munícipes. A obrigatoriedade é que está suspensa o que significa que cabe a cada presidente dos diferentes órgãos avaliar e criar as condições necessárias para permitir que a democracia não fique também ela suspensa e que os munícipes fiquem privados do seu direito de intervir. Numa era em que a comunicação e os meios de contacto à distancia permitem praticamente tudo, não os usar para permitir a intervenção dos munícipes parece ser a desculpa que dá jeito para que não sejam chateados.


Seguir
( 1 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

2 Comentário em “Outra porta fechada”

  1. Avatar

    Sim aqui o amigo Martelo, não lhe deu um puxão de orelhas para o obrigar a ter o público. Então no estado de emergência o PCP, tentou manipular toda a gente para a a sessão solene do 25 de Abril fosse realizada, agora como já não é do interesse do PCP, a presença do seu POVO já não é importante? Ai a coerência Martelo. É por estas e por outras que as pessoas se afastam da política..Só par curiosidade a Assembleia Municipal de Nisa, reuniu com com o seu público presente no passado dia 17.
    A Marinha afinal é menor ou incapaz? O presidente Guerra, já deu provas de andar cansado disto. Mas há mais, muito mais

  2. Avatar

    Ontem sexta feira passei, à noite, junto da sede do PCP na Marinha Grande, estava fechada. Nem uma alma viva se via por aqueles lados. Quem o viu e quem o vê!

Deixar uma resposta