Fazer tarde e mal

CuriosoCMMG11 Comentários


É motivo para que se diga que fazem tarde e quando fazem, fazem mal! Quem vai das Trutas para a Amieira e vice-versa encontra placas de indicação de fim da Marinha Grande e início. Quem não conhece o concelho e passe por ali fica com a ideia de que o limite do concelho é naquele local. E até poderia ser, mas não é! Fomos ao ‘geoportal’ da autarquia e ali é fácil verificar que os limites do concelho se estendem muito para além do local onde as placas de inicio e fim do concelho foram colocadas. Que levou então a que as placas fossem ali colocadas? Será que na câmara foi decidido retirar a Amieira do concelho?


Seguir
( 5 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

11 Comentário em “Fazer tarde e mal”

  1. Avatar

    Desde quando estas placas informam que o concelho acabou aí? Elas informam sim, o fim da cidade da Marinha Grande.

    1
    1
    1. Curioso

      Caro Anónimo. Então a Amieira, Trutas, Pero Neto, Amieirinha, Ordem, Guarda Nova, Pilado, Picassinos, Engenho e Embra não ficam na Marinha Grande?

      1. Avatar

        Não são placas de início ou fim de concelho. Desconheço os critérios da CM mas eventualmente poderá ter a ver com a zona urbana. Só comentei porque a vossa publicação não está corecta. As outras opiniões ficam para os “sabedores”.

        1. Curioso

          Caro Anónimo. Parece-nos que todas as explicações poderão ser dadas para o facto de terem sido colocadas as placas nos locais onde foram. Critério de aglomerado, de zona habitacional ou qualquer outra pode servir para justificar o critério usado. A verdade é que quem vive no concelho da Marinha Grande, num dos lugares mais distantes do centro, tem motivo para sentir que passou a ficar fora do concelho.

  2. Avatar

    A intenção é clara, é mesmo retirar do concelho a Vereadora do MpM Ana Monteiro uma vez que esta é da Amieira, sendo assim fica nascida em terra de ninguém como quem diz é uma apátrida .
    Será essa a intenção?

    1. Avatar

      Se querem placas para informar o final e início do concelho têm que escolher outras. O que o curioso diz não faz sentido. Estas placas são de localidade. Na Amieira há uma placa a marcar o início do concelho e outra a marcar o início da localidade da Amieira.

  3. Avatar

    No tempo em que eu tirei a carta, há quase trinta anos, estas eram placas que indicavam o de fim de localidade, não o fim de concelho, e equivaliam a um sinal de fim de proibição de circular a mais de 50 km/h…

  4. Avatar

    Se forem ver as a página na net das infra-estruturas de Portugal, estão lá as placas de identificação das localidades, que são iguais as da Amieira. Estão a levantar uma falsa questão. E Amieira está fora da malha urbana da cidade da Marinha Grande, para mim é uma pequena localidade ou aldeia .

  5. Avatar

    1. Se o objectivo das placas é identificar o inicio/fim da CIDADE estão mal localizadas, pois a CIDADE da MARINHA GRANDE naquela rua/estrada começa/acaba perto da ex-fábrica Manuel P. Roldão.
    2. Se o objectivo das placas é identificar o inicio/fim da zona urbana da MARINHA GRANDE deveriam incluir esta designação, ainda que me pareça mutio discutível considerar os lugares das TRUTAS e PERO-NETO (por exº) zona urbana, pois antes eram sobejamente conhecidos por aldeias/lugares.
    3. Se o objectivo das placas é identificar o inicio/fim do concelho da MARINHA GRANDE estão mal colocadas e identificadas. aliás no inicio da AMIEIRA (sentido Amor>Marinha Grande) está lá há muitos anos e bem uma placa a identificar o inicio do concelho.
    Acho que não podemos sobrevalorizar este assunto mas também não podemos diminuir a importância que o mesmo. Há questões identitárias que estão a ser postas em cheque, sem QUALQUER NECESSIDADE.
    Artur Jorge Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

  
Please enter an e-mail address