CMMG

Um dos assuntos que hoje deveria ter sido interessante de ouvir terá sido o relativo à transferência de competências. Na proposta vinha expresso que não queriam aceitar a competência da cogestão de áreas protegidas “por não se encontrarem reunidas as condições técnicas, financeiras e funcionais necessárias para o seu pleno e responsável exercício”. No fundo é o fundamento que tem sido usado em todas as demais competências que o Governo tem querido transferir. Mas há uma dúvida que surge! Que áreas protegidas temos no concelho que motivem uma rejeição de competências com base em argumentos financeiros ou funcionais? A transferência de uma competência como esta não será algo perfeitamente inócuo quando se sabe que não é possivel de ser posta em prática por ausência de áreas para gerir? Muito provavelmente o executivo permanente achará que há áreas protegidas, mas a única que conseguimos encontrar é a que rodeia a presidente e que a faz estar alheada da realidade do concelho! O facto de as deliberações iram para as reuniões de câmara com os argumentos ‘chapa cinco’ levam a este tipo de situações que não se compreendem.


Seguir
( 4 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

3 comentários

  1. o Governo propôe transferir COMPETÊNCIAS
    mas aqui na nossa Câmara há só INCOMPETÊNCIAS
    por isso o assunto não diz respeito à nossa Presidente

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário