CMMG

Ontem ficou decidido que a câmara vai comprar a antiga Albergaria Nobre. Não há nada contra que a câmara possa ser a pioneira na tentativa de reabilitar o centro tradicional, antes pelo contrário. A ideia é transformar aquele espaço numa residência de estudantes. Também será difícil ser-se contra a ideia. A questão surge no momento em que se sabe que tudo está ainda sem que nada esteja assegurado. A presidente referiu que existe um pré-acordo com o IPL para que ali seja feita a instalação da residência, mas percebeu-se que não foi feito com base em nenhuma garantia de que ali possa mesmo vir a funcionar aquilo que foi dito. Não foi conseguido explicar se vai haver transportes, se vai haver procura e se vai mesmo funcionar. Foi também referido que poderá haver intenção de colocar ali perto um pólo universitário. Ou seja, foi mais uma compra que tem por base ideias vagas daquilo que se quer fazer. E aqui vamos entroncar com aquilo que o deputado municipal disse na última reunião de câmara, não há planeamento nem planificação. Não há ainda uma ideia do que querem fazer na velha Stephens, mas falam na criação de um pólo universitário para justificar a compra ontem decidida como se fosse claro que ali vai funcionar o que disseram! Fica a sensação de que vão fazendo tudo por impulso, com ideias mais ou menos avulsas que alguém lhes vai ‘vendendo’ e, a partir daí, vão tentando ajustar o futuro com base naquilo que vai acontecendo. Naturalmente que tudo o que possa ser feito para dinamizar o centro é bem vindo e necessário, mas a falta de planeamento é notória. Em vez de se sentarem e criarem um plano global para o centro, vão fazendo coisas pontuais, desgarradas umas das outras. A existência de um plano poderia levar a que os proprietários e investidores pudessem delinear uma estratégia de investimento para toda aquela zona e começassem a ter interesse naquele espaço. Ao invés, sem que se saiba para que lado apontar, cada um vai dando tiros um pouco ao sabor do que pensam, o que tem conduzido ao que se tem visto, o abandono total. A câmara opta por ser apenas uma imobiliária que adquire imóveis em vez de ser uma entidade promotora de desenvolvimento, aproveitando o que compra para impulsionar o crescimento do centro tradicional.


Seguir
( 3 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

7 comentários

  1. Enfim, quem faz aquilo que sabe a mais não é obrigado.
    O pior é que não sabem nada de nada e o que sabem é simplesmente me…
    É o que temos.

    • Comprar com dinheiro de imposto que sobram e fácil..o problema e o que fazer depois tal como a mortensen….E quando e que compram as piscinas de São Pedro , reabilitam e dão a concessão? Era dinheiro bem gasto

  2. Tal como o apartamento da rua dos Baroseiros que foi todo remodelado, incluindo eletrodomésticos e mobilia, no anterior mandato, com a Presidente (então vereadora) a fazer questão em tal remodelação a pretexto de alojar pessoas vítimas de violência doméstica. Está fechado desde então!

  3. Nem com o Frederico Barosa, do seu PS, cara a cara, dizendo-lhe que tem nas mãos a câmara mais burocrática e atrasada, e que mais atrasa a vida dos munícipes, a mulher se convence…
    Faz lembrar o outro que vai em contra-mão, mas acha, que todos os outros é que estão errados!
    Que fazer?

  4. Peço desculpa.
    Mas quais estudantes? Anda tudo doido!!!
    Cuidem da resinagem mas é que uma vergonha terem uma ala de escritórios toda fechada porque está completamente deteriorada! Ou é preciso colocarem fotografias no jornal da Marinha?
    E o estado da zona do GAM ?

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário