CMMG

Vida e morte são algo com o que, queiramos ou não, todos temos que conviver. Há dias faleceu um conhecido artista plástico. Hoje foi um vidreiro. Amanhã alguém mais será tal como ontem. Um dia destes será um de nós. É a vida. Hoje quando se passa pelos outdoors da câmara pode ver-se que há a comunicação do óbito tal como durante a tarde houve a nota de pesar. Naturalmente que não se põe em causa o mérito de quem recebe hoje a nota de pesar. Longe de nós por isso em causa até porque não conhecemos aqui no concelho quem não seja merecedor desse tipo de atenção por parte da câmara. Já que não dão em vida o que os munícipes merecem e necessitam, que o façam na morte. A questão que agora se parece colocar são os critérios que levam a que a câmara faça as notas de pesar ou dê destaque nos paineis electrónicos à menção ao óbito de quem faleceu. Quem decide quem é que deve ser merecedor dessa menção? Quais os critérios que levam a que isso se faça? Qualquer pessoa que parte é, para alguém, uma pessoa importante e todos, quase sem excepção, foram importantes na vida de alguém. Há dias, quando achámos que a câmara estava a esquecer-se de fazer a nota de pesar pelo óbito do artista plástico e vieram apressadamente tentar corrigir o esquecimento, estávamos já a ver que iriam do 8 ao 80, sem que tivessem o cuidado de estabelecer previamente regras que devam ser seguidas para definir quem deve ser agraciado com tal distinção. Para que haja a atribuição de honras póstumas é essencial que se definam os critérios. Não os havendos estamos entregues ao livre arbitrio de quem tem mostrado não ter uma dose de bom senso acima da média. Ou seja, agora é de esperar que por cada munícipe que possa falecer estejamos sempre à espera de ver se, de acordo com o critério sabe-se lá de quem, esse alguém era alguém merecedor de honras póstumas. Naturalmente que não vamos esperar que na próxima década possa aparecer um qualquer regulamento que possa permitir saber quem é merecedor do quê e quais os critérios porque já se percebeu que tudo o que possa estar dependente do departamento jurídico da câmara é para esquecer.


Seguir
( 9 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

16 comentários

  1. É uma ideia, curioso.
    Não ficava mal, a CMMG passar a divulgar a Necrologia. Quer no facebook, quer nos painéis. De todos os marinhenses!
    Tem toda a razão, todos somos importantes para alguém… Portanto, apoio esta ideia!

    • É isso mesmo, uma coisa é um cidadão dizer bem ou homenagear um amigo ou conhecido. Outro é um organismo público que representa toda a população. É uma estrutura oficial, com regras de funcionamento, não pode decidir de animo leve só porque sim.

  2. Nisto não estou de acordo com o largo. Quer dizer, primeiro critica-se aquando da morte do artista plástico. Agora que tomaram a iniciativa, critica se porque o fizeram… Falta aqui um bocadinho de coerência. Já alguém dizia ” para criticar estão cá todos, para fazer melhor e que já é mais complicado.”

    • Caro Anónimo. Ninguém está a criticar o facto de ter sido feito. Achamos muito bem que se faça. A questão está no facto de, depois de o terem feito a primeira vez, a segunda coisa a fazer deveria ter sido estabelecerem regras para que se saiba quem e porque deverá ser merecedor de honras por parte da autarquia. Não o fizeram o que lava a que agora não se sabia quais os critérios que irão ser usados. Vai também haver luto municipal? A próxima agenda vai ter uma página com a foto? E quem falecer a seguir vai ter direito a honras? Que necessita ter feito em vida para que o mereça? Regras, caro Anónimo, é a falta delas que criticamos e não o destaque que agora foi dado que, como referimos, achamos justo. Não basta tomar a iniciativa, é necessário que se vá mais além.

  3. E daí, vamos parar, às entrevistas a pessoas marinhenses, para a nova agenda.
    Não podia começar melhor!
    André Barros, irá ser, provavelmente o Marinhense mais conhecido no mundo, em poucos anos!
    … Vamos ver se mantém o nível de escolhas, ou rapidamente começam a partidarizar e “amigalhar” as escolhas. Veremos.

  4. o Largo não reage, o Curioso não reage, perante tal escândalo da miss PreçoCerto? Onde está a tranparência Marinha Grande?
    Devem estar a preparar uma resposta politicamente correta com os partidos.

    1
    2
    • Caro Anónimo. Um de nós acabou de fazer inscrição na ‘Academia de Formação’ em local que nada tem a ver com a escola cedida pela câmara. Parece-nos, por isso, não existir fundamento para o que tem sido escrito.

      2
      1
      • Curioso não me diga que se inscreveram naquelas instalações sem legalidade para estarem abertas! Aquelas improvisadas enquanto a escola não era entregue! Foi? Não me diga que vão para uma academia já sem publicidade e onde nunca esteve legal! Ainda tem falta de fundamentos?

        1
        1
      • Caro Anónimo. Ali está ainda a publicidade normal para o tipo de actividade desenvolvida. Quanto às instalações estarem legais ou não, isso não sabemos.

  5. Morreu o meu canário, era um bicho lindo, cantava maravilhosamente era a alegria e boa disposição do condomínio para além de ser o despertador de todos os vizinhos.
    Será que o meu canário vai ter honras de nota de imprensa da Senhora Presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, Drª Cidália Ferreira? Posso colocar a meia haste uma bandeira do municipio na entrada do condomínio?

  6. Se esperarem por regras ou critérios vão ter de esperar, mas, e se já existirem essas regras ou esses critérios, estou curioso para ver a sua aplicação, pois o passado recente mostra a dificuldade que a CMMG tem em aplicar eses mesmos critérios.

  7. O Curioso, Aurélito e restantes camaradas, de mão dada com Sra RightPrice.
    Eras bem afastado como foi a dormente da Ana Monteiro. Será que o MPM não tem mais gente? Wilson tenho pena de ti…

  8. Folhinhas colocadas prá selfie 🙂 Claro que teria de estar aberto à pressa, a seu tempo…. grande escola do Outeiro, vai passar de escola a Academia Preço Certo. Realmente afinal temos visionarios na autarquia… vamos ver como será usada uma inst. sem fins lucrativo

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário