CMMG

Parece que virou moda fazer-se greve de fome. O concelho hoje é notícia, uma vez mais, pelas piores razões. Uma habitante da Vieira decidiu fazer greve de fome. Em causa está o facto de, segundo ela, não ter apoio depois dos incêndios terem destruído o que tinha. Naturalmente que tem direito de o fazer e não cabe a nós tomar posição quanto a isso. Até poderíamos escrever a dizer mal da câmara por não prestar auxilio, mas, pelo que apurámos, a história não tem sido contada como deveria ser. Ainda que todos possamos sentir o drama de quem vive sem condições, não é possível, neste caso, atribuir responsabilidades à autarquia. Quem habita casas que não respeitam as regras, designadamente por ser uma construção ilegal, não pode, só porque teve o infortúnio de o fogo lhe chegar, querer que, sem mais, possa ser reparada uma construção ilegal. Também se sabe que a CCDRC propôs que este tipo de situações fossem financiadas para que fosse feito o realojamento para casas que estejam legais, algo que a habitante da Vieira nunca quis. É, por isso, difícil conseguirmos colocar-nos ao lado de quem hoje começa a greve de fome e menos ainda atribuir responsabilidades à autarquia que, neste caso, não as tem.


Seguir
( 1 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

1 comentário

  1. A questão é que as pessoas vêem a pouca vergonha que se passa em Pedrogão Grande e não só, onde “recuperam casas” que nem sequer existiam, casas que não arderam, casas que aumentam para o dobro do que eram, palheiros e barracos transformados em habitações “de luxo” e uma distribuição de bens não se sabe com que critérios. Já nem falo nos milhões para empresas que estavam insolventes e quase fechadas. E as empresas concorrentes? Que como todas têm dificuldades.
    Qual a moralidade? Caça ao voto? Com as calças do meu pai também era homem. Governar com o dinheiro dos outros é fácil.

    1
    2

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário