MpM

Ontem a entrevista trouxe algumas novidades na forma como os entrevistados actuaram. Se por um lado o Aurélio se manteve mais ou menos fiel ao que tem sido a sua forma de agir nas entrevistas, por outro mostrou-se um pouco mais incisivo, sem dar aquele aspecto de quem está a dar uma aula. Pareceu estar um pouco mais disposto a fazer oposição. Se será assim ou não, o tempo dirá. A maior novidade saiu da parte da Mêlina. A única vez que falou, a meio ficamos sem saber bem se estava a entretida a tentar costurar uma resposta que saísse bem, qual grande peça de tecido sem fim à vista, ou se estava mesmo a responder à questão. Enrolou e enrolou sem que dissesse nada que se conseguisse aproveitar. Foi o que se pode chamar de uma decepção porque nas intervenções nas reuniões de câmara até nem se tem saído muito mal. Percebe-se que se não levar o discurso feito dá no que se ouviu. Estas entrevistas, além de outras vantagens, tem a de permitir ficar a conhecer melhor os eleitos. Ontem percebeu-se que bastaria ter sido feita a entrevista ao Aurélio. Percebeu-se porque algumas vezes se diz que aquele movimento é centrado mais numa pessoa. À mingua de argumentos dos restantes elementos, quem tem mais facilidade de se expressar consegue-se destacar. E, por falar em elementos, à questão que envolve a saída do Jorge da Junta da Moita, o Aurélio bem que tentou dar a volta à questão, mas não conseguiu ‘dar a aula’ de modo a que se ficasse a perceber aquela saída da Junta e de que modo vai conseguir representar quem o elegeu num órgão que pouca intervenção tem.


Seguir
( 2 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

11 Comentários

  1. Lá me vou eu expor de novo, um dia vou aprender, mas vamos lá.
    Não consigo perceber o problema de meia dúzia de marinhense, não são mais de 6, até conseguia escrever o nome deles, sobre este espaço, o Largo das Calhandrices e algumas pessoas que dão a sua opinião. Há anos que alguns tentam associar o meu nome ao largo, talvez porque sou informático, mas isso não é razão, há dezenas de marinhense melhorsz que eu nesta área. E se perdessem algum tempo dava para perceber que só alguém que está num escritório é que pode alimentar este espaço com tanta rapidez. Não sei quem é a pessoa (tenho uma ideia), mas também já disse que não faço muita questão nisso, interessa-me mais o que está aqui escrito que quem escreve, e de um modo geral gosto do que leio, e comunico regularmente com o Afonso Almeida, que é o nome do curioso no face, so comunicado por esse meio. Está dito, não volto mais a falar sobre o assunto. Mas vou ao essencial, acredito que estão a fazer um bom trabalho na Marinha Grande? Se sim porquê preocuparem-se com a minha opinião ou posição, ou de outros que têm alguma opinião de critica? Não se preocupem com as minorias, estão de consciência tranquila em relação ao trabalho feito? Optimo, não se preocupem com o que os outros dizem. Ainda posso dizer mais, continuo a identificar-me totalmente com o Partido Socialista, como fui respeitador das regras deixei de ser militante a quando do manifesto pela marinha, logo não tenho nenhuma posição no ps marinha Grande. Também não me revejo em parte das posições do MPM, são, quanto a mim, muito proximos do PSD. Por tudo isto não tenho qualquer posição partidária nem me parece que mais alguma vez venha a ter, sinto-me bem, e util, no associativismo. Por isso virem a agulha, eu não sou o problema, nem sequer o mensageiro. Preocupem-se com o que é importante e deixem a caça as bruxas que não leva a lado nenhum. Bom fim de semanas

    • Ó rapazito, dedica-te lá aos computadores e deixa a política para gente adulta.
      Quem é que quer saber o que te vai na alma? Preocupa-te com o que é importante e dedica-te a colocar os computadores a trabalhar que já muita areia para a tua camioneta.
      Bom trabalho e desculpa qualquer coisinha

  2. Se o Aurélio estava muito “incisivo” é estranho! Costuma ser mais “canino”, pela forma como costuma “rosnar” à Cidália, nas reuniões do executivo. Temperamentos…. ladra mas não morde (politicamente falando)
    No fundo é mais um Bobbie, amestrado pelo Henri Grandson!

  3. Acabei de ouvir agora o debate do Aurélio na Rádio e de facto ele é um verdadeiro chefe.Nem sequer teve a elegância de deixar falar a moça que estava com ele.
    Tem um ego do tamanho do mundo e apresenta se como um salvador do mais populista que há.Parecia que estava a vender banha da cobra.E até já quere mandar no Jornal da Marinha,pois tem a certeza que a entrevista vai sair na primeira página.E está !

  4. O Aurélio, já sabemos que quando fala só diz disparates. Agora a respeito da Mêlina, foi uma agradável surpresa, “Enrolou e enrolou sem que dissesse nada que se conseguisse aproveitar”, o que nos permite antever um grande futuro político!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário