CidáliaCMMG

Ontem a Cidália protagonizou mais um momento que não pode deixar de ser notado. Quando um munícipe se inscreve para falar tem 5 minutos durante os quais pode dizer aquilo para o que se inscreveu, mas pode ali chegar e ficar os 5 minutos calado. Pode também ali chegar e falar daquilo que lhe apetecer. É um direito que lhe assiste. A razão de ser de, quando um munícipe se inscreve dizer qual o assunto, é para que os eleitos possam saber o que vai ser falado e possam dar resposta. Não significa que possa ser cortada a palavra a um munícipe só porque não está a falar do assunto para o qual se inscreveu. Ontem, quando um munícipe começou a falar, a Cidália ainda tentou calá-lo, agarrando-se ao que tinha sido o assunto para o qual ele se tinha inscrito. Não surtiu efeito porque o munícipe falou na mesma. Falou e falou bem, dentro daquilo que é o seu direito de falar. Uma vez mais se notou um tique ditatorial por parte da Cidália que opta por tentar calar os munícipes sempre que os assuntos não lhe interessam. Curiosamente, quando ela fala, fala daquilo que está a ser tratado, mas aproveita também para fazer as suas divagações e discursos muito centrados sempre na mesma coisa. O facto de estar sempre a afirmar que é ela quem conduz a reunião é sintomático da necessidade que tem de se afirmar e de afirmar que manda. Fica a sensação de que, se pudesse, só ela teria direito a estar em frente aos microfones e só ela poderia falar. Mas entende-se que não goste que os munícipes possam ir dizer o que pensam. É uma chatice ter que estar a ouvir os queixumes de quem precisa que o executivo faça alguma coisa. É uma chatice estar sempre a ouvir sempre o mesmo. Nos nos admiraria que um dia destes a Cidália faça aquilo que o seu camarada da câmara de Lisboa fez!


Seguir
( 2 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

4 Comentários

  1. Para que não haja dúvidas e não digam que plagiamos, a intervenção da Alexandra, sobre este assunto, foi no sentido que aqui deixámos expresso.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário