CMMG

Não adianta falar-se muito no novo regulamento que define as regras de distribuição de apoios às colectividades e clubes. Ele aparecerá um dia. Quando se fala nos clubes e colectividades pensa-se sempre que a câmara deve fazer uma distribuição equitativa entre todos, sem que haja privilégios ou prejudicados. Há, no entanto, algumas situações que intrigam e possivelmente outras haverá que não se têm conhecimento. Vejamos três exemplos: 1. Há uns anos o IDV avançou com as obras no campo. Algum tempo depois chegaram à conclusão que não conseguiam pagar tudo e teve que ser a câmara a comparticipar no pagamento, que terminou há dois ou três anos. A ajuda da câmara é superior, nessa parte, a setecentos mil euros. 2. A câmara cedeu a exploração da piscina da Vieira ao IDV que a gere e arrecada as receitas. A câmara suporta, no entanto, todas as despesas, reparações e obras que sejam necessárias e ainda paga mensalmente mais de mil e quinhentos euros para as despesas administrativas. 3. Há uns anos a câmara comprou o terreno onde está o campo do SLM. Desde então que aquele clube ocupa o espaço sem que, no entanto, pague o que quer que seja pela utilização do terreno. A utilização de terreno da câmara traduz-se num apoio considerável, mais que não seja no que não têm que pagar de renda e de impostos. Naturalmente que não se questionam os apoios que são dados, mas questiona-se a diferença de tratamento que existe em relação a outros clubes e colectividades que deveriam receber igual tratamento e igual comparticipação financeira. Claro que se a oposição estivesse mais atenta por certo que já se teria apercebido que há clubes ou colectividades que são beneficiadas em relação a outras. Bastava que se dessem ao trabalho de pedir cópia de todos os pedidos que dão entrada e os analisassem, um a um, fazendo como que uma espécie de sindicância aos critérios da comissão que define a pontuação atribuída aos apoios que são pedidos; que vissem se todos os clubes que têm equipas na primeira divisão são efectivamente equipas amadoras ou se são na realidade profissionais disfarçadas de amadoras e que, como tal, deveriam estar excluídas do grupo das que devem receber apoio; que vissem se não há escalões que deveriam merecer igual tratamento e são esquecidos. Claro que tudo isto poderia ficar resolvido se o parto de onde nascerá o novo regulamento começasse!


Seguir
( 4 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

9 Comentários

  1. Falta aí o grandioso AC marinhense…
    Ou foi esquecido de propósito…
    Se estamos a falar de quem recebeu mais apoios ao longo dos anos!!!
    O estádio municipal e campo número dois á muitos anos que pareciam pertencer ao clube…. E muitas mais situaçoes que sao do conhecimento de pessoas bem informadas como vós….!
    Disse!!!

  2. Fantástico….
    Mais uma vez abordam o assunto sem falar no clube mais beneficiado da região…. Os estádio e seu ginásio até parecem pertencer ao clube…
    Pessoas tão bem informadas com vós deveriam saber do assunto !!!
    Disse….

    • O estádio é utilizado (balneários) por varios clubes, futebol, atletismo, velhas guardas. O ginásio para sua informação é só usado (quase exclusivamente) por malta do atletismo

    • O problema é mesmo esse …
      Somos todos da mesma terra….
      Podemos não ter o mesmo status…mas a terra é a mesma…
      E como continuam a incendiar a mando de uma oligarquia isto nunca vai mudar….
      E digo nunca ofendi ninguém por aqui… Mas esse teu post fica muito mal…

  3. Por norma não teço comentários, pelo simples facto de que não gosto de alimentar discussões ocas, que só devem ser mantidas com quem sabe ou está devidamente informado. Mas como este assunto, na qualidade de Secretário-Geral do Atlético Clube Marinhense me diz implicitamente respeito gostaria de deixar aqui umas pequenas rectificações em relação a alguns postes aqui publicados. Quando o anónimo das 11,16h e 11,22h, faz referência ao Pseudo Clube mais beneficiado da terra, só por má fé, partidarite aguda, ignorância ou outras intenções desconhecidas poderão ser consideradas. O A.C.M. em todo o seu historial nunca recebeu da parte da Câmara quaisquer verbas de relevância além das que estão estipuladas. O A.C.M. utiliza e sempre utilizou o Estádio Municipal e as suas valências de acordo com as normas existentes para o mesmo. Recordo que o Estádio, assim como o campo nº 2 e outros sempre foram utilizados, por todos os clubes ou associações de acordo com as suas relevâncias e disponibilidades. A título de exemplo. Sport Lisboa Marinha, Vidreiros, Academia Sporting, Veteranos de Vários clubes do Concelho, Garcia, Belenenses da Amieirinha, Clube de Atletismo da M.G., Escola de Atletismo da Mónica e talvez ainda outros, são utilizadores das referidas instalações( ginásio, salas diversas, etc,etc) continuadamente. Além de tal à que realçar, que havendo um Estádio Municipal, como será lógico deverá ser utilizado para os seus próprios fins. Neste caso para prática do futebol e para o atletismo. Portanto aqui não há qualquer situação de benefício, mas sim um direito próprio e ao serviço de todos. Além de tal, o mesmo se passa em relação a outras valências desportivas afectas à Câmara, como é o caso dos vários pavilhões camarários e escolares que estão a ser utilizados e cedidos ( BEM ) para a prática de outras modalidades ( Voleibol, Andebol, Patinagem e outros. Também aqui não há algum benefício, visto também estes, à imitação de todas as valências desportivas, serem utilizados para o seu próprio fim. Estranho seria que o Estádio Municipal, Pavilhões ou outros fossem utilizados para TOURADAS, PROVAS DE MOTOCICLISMO, HOQUEI SOBRE GELO, CORRIDAS DE TRENÓS, CAVALOS, CAMELOS, BURROS, ETC.ETC…Quanto a outras situações que o mesmo anónimo deixa escrito, lançando suspeições para o ar, quando diz ” muitas outras situações que são do conhecimento de pessoas bem informadas” só lhe poderei dizer o seguinte:- Só por DESMEDIDA MÁ FÉ, SE PODE FAZER TAL AFIRMATIVA. Isto porque, se há pessoas bem informadas acerca de todas estas situações, uma delas sou eu. Se há pessoas bem documentadas, uma delas sou eu. Como tal afirmo e responsabilizo-me por tudo o que aqui digo, convidando seja quem for, cara a cara, (NÃO ANÓNIMO) debater este assunto comigo e provar-me o contrário. Confirmo o que está escrito neste “post” do LARGO, ao qual não tenho qualquer ligação, desconhecendo inclusive quem são os seus promotores. Quero rectificar dois pequenos pormenores. O Sport Lisboa e Marinha utiliza e bem, 25.000 m2 de propriedade camarária há 17 anos sem pagar qualquer renda mensal ou impostos (IMI).
    O erário publico, suportou na época o pagamento da penhora à Caixa Geral de Depósitos, de uma verba entre 300,000 e 400,000 EUROS permitindo assim que o S.L.M. pudesse continuar a usufruir das instalações desportivas e dos terrenos anexos, sem o qual poderia provocar a sua extinção. ( Recordo que o A.C.M. paga de IMI pela mesma área cerca de 5.000 euros anuais). Em relação ao I.D.V., além do que está escrito há que rectificar que a verbas despendidas pela Câmara para despesas administrativas são de 1.800 mensais o que corresponde a uma verba anual de 21.600 Euros. Não deixa de ser curioso realçar, que o CLUBE NÁUTICO DA M.G. com sensívelmente, as mesmas condições financeiras ( ou menos ?), tem feito um trabalho digno do maior registo, tanto a nível regional como nacional na formação de vários campeões. Em contra partida as PISCINAS MUNICIPAIS DE VIEIRA DE LEIRIA, salvo erro ou omissão, apesar de possuir condições extremamente superiores não são notícia por resultados desportivos de relevo de atletas formados no seu seio. Quero realçar que eu limito-me a defender a igualdade, a equidade e o respeito pelos meus semelhantes e entendo que se deve premiar o mérito e apoiar quem trabalha e faz algo pela comunidade. Abomino todo e qualquer um, que fala,fala,fala, mas não faz. Abomino todos os que debaixo de um COBARDE anonimato, dizem coisas, não mostrando a cara ,para podermos aferir, QUEM SÃO, O QUE SÃO, O QUE JÁ FIZERAM, ONDE ESTÃO, PARA ONDE VÃO, OU PARA ONDE QUEREM IR. Com isto, e porque não sou nenhum animal de carreira, afirmo aqui que todas estas situações nada têm a ver com este ou com outro Executivo. Tudo tem acontecido ao longo dos anos com a chancela de vários Executivos e a conivência de várias pessoas, mas a verdade e os factos não podem serem ignorados e muito menos por ignorantes. A verdade deverá sempre prevalecer, desde que devidamente documentada e justificada e eu estou pronto, para de peito e cara aberta provar, sem quaisquer dúvidas, tudo o que atrás deixei expresso, salvo uma ou outra questão de pormenor. Estamos sempre a tempo de fazer. Estamos sempre a tempo de mudar. CRISTIANO CHANOCA

  4. Em abono da verdade, no “post”que publiquei anteriormente, omiti algo por lapso circunstancial, dois factos que não poderão deixar de ser considerados, em relação ás verdades expostas 1º – O A.C.M. foi receptor da parte da Câmara Municipal de um piso sintético. no Campo da Portela, no famigerado acordo com a União de Leiria, que consignava a feitura de três sintéticos, respectivamente e por esta ordem, conforme documento assinado, A.C.M., Vidreiros, e Garcia. Devido à falência da SAD. LEIRIA , o único sintético instalado, em 2011, foi no Campo da Portela, na qualidade de PRESENTE ENVENENADO. O A.C.M., esteve impossibilitado de realizar jogos oficiais durante seis (6) anos, por o referido piso sintético não possuir a devida certificação. Daí o A.C.M. viu-se obrigado a realizar todos os jogos das suas equipas inseridas em campeonatos nacionais oficiais de 2011 a 2016 no Estádio Municipal , com os naturais prejuízos adjacentes, desportivos e financeiros, originados por entidades externas sem que para tal tivesse tido qualquer responsabilidade. De salientar que o A.C.M., nunca pediu qualquer indemnização por percas e danos referentes a esta causa. Como tal afigura-se, como da mais elementar justiça, mais não fosse por tal, a utilização do Estádio Municipal em toda e qualquer circunstância . Apesar de ter visto ser instalado no Campo dos Vidreiros um sintético, em 2014 sem que o problema da Portela estivesse solucionado, o A.C.M., não alterou a sua postura, aguardando que a sua situação viesse a ter solução. O imbróglio gerado pelo dito famigerado acordo CMMG-UDL, foi culminado, quando a Câmara Municipal da Marinha Grande, cumpriu com aquilo que no mínimo moralmente estava obrigada, visto ter sido parte activa no acordo U.D.L-.C.M.M.G.com a resolução da dívida para com a empresa que colocou o sintético da Portela no valor de 104.000 Euros e a feitura do sintético da Garcia, já que o sintético dos Vdreiros já tinha sido colocado. Aqui houve gente capaz, que não amamentou problemas e de forma limpa, eficaz, transparente, honesta e com capacidade arranjou soluções. Paulo Vicente ( Presidente de Câmara) Cidália Ferreira (Vereadora Cultura e Desporto) e eu próprio, fomos os mentores das soluções, após muito trabalho e dedicação. Não poderei deixar de expressar aqui publicamente o meu agradecimento a estes dois autarcas, pelo trabalho feito na resolução de um problema que já se arrastava há seis anos. Resumindo e concluindo, o A.C.M. até nesta situação, fez parte da solução para resolver o problema. 2º- Desconheço se haverá uma outra situação similar, mas paradoxalmente desde 1923, ano da fundação do A.C.M., não tenho conhecimento de nenhuma outra Entidade ou outra Associação que tenha colaborado com a Câmara Municipal da Marinha Grande graciosamente como o A.C.M. Nos anos 80 o A.C.M. adquiriu um autocarro novo, de 23 lugares, que esteve sempre ao serviço da autarquia para transporte das crianças das escolas, devido ao facto de a Câmara à época não possuir, qualquer meio de transporte próprio. Este veiculo acabou por morrer naturalmente ao serviço da Câmara, do Povo, da Marinha Grande, da comunidade. Questão de memória e reposição de factos. CRISTIANO CHANOCA

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário