CMMG

Há obras que duram e duram, como se fossem para não ter fim. Há muito que a estrada que deveria permitir a ligação da zona industrial à saída norte deveria estar feita. Quem ali tem que ir todos os dias ou quem ali trabalha bem sente a necessidade daquela ligação que deveria ter sido construída quando fizeram as rotundas. No inicio do verão a obra teve finalmente arranque e deveria já estar concluída. Quem ali passa vê que parte da estrada está feita, que até já há iluminação, mas continua com o acesso vedado. Um contrato de Abril, com duração prevista de 120 dias e não há ainda forma de estar aberto ao transito! Quando ali paramos percebe-se que falta ainda colocar, pelo menos, uma camada de asfalto e o estranho é que não se vêem quaisquer máquinas como antes se viam ali estacionadas num dos parques de uma das empresas. Fica a sensação de que a obra foi abandonada! Sem máquinas não se coloca asfalto e como elas não estão por lá, não é de prever que a obra seja concluída tão breve, para prejuízo dos que ali diariamente vão. E por falar em zona industrial, demos uma volta pelas ruas e o estado em que se encontra toda a zona industrial é lastimável. Abandono, desprezo, incúria… não sabemos bem qual o termo a usar para definir aquilo que se vê. A cidade da engenharia e design tem uma das piores zonas industriais do país. Os clientes das empresas que ali se deslocam devem mesmo ficar agradados com o cartão de visita que lhes é apresentado! Temos empresas de excelência, empresários dinâmicos e uma autarquia que não os consegue acompanhar, mais que não seja para fazer uns arranjos e embelezar aquele espaço.


Seguir
( 1 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

4 Comentários

  1. E tal como a rua que desabou em São Pedro, ha mais de um ano por acabar e como diziam na peça da TV “era uma questão de 2/3 meses” para estar resolvido
    Tudo é lento, tudo é dificil, tudo é sempre complicado para estas mentes iluminadas que até para mudarem uma lâmpada em casa devem levar 6 meses, no minimo.
    Mas foi o que os marinhenses e muitos “empresários dinâmicos ” escolheram, não se queixem

    • 2 ou 3 meses em Marte, o planeta onde habita o Caetano, o equivalente a 6 anos terrestres, se não me falha a memória! Assim, habilita-se a concorrer às próximas autárquicas para rematar a obra..

  2. Ninguém pergunta à Cidália o porquê? Talvez porque nem valha a pena, pois ela nunca sabe dar respostas. divaga, divaga e assim passam 4 anos

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário