CMMG

Imagine-se que a Marinha Grande (MG), era todo gerido por pessoas, como as que dirigem o concelho…!

Imagine-se que as empresas da MG eram geridas pelos mesmos.

Imagine-se que as associações e os clubes da MG eram geridas por aqueles que dirigem o município.

Já estamos a imaginar que não existiam… não podiam! Se assim fosse a MG estaria pior que o Barreiro, como explicou o Henrique Neto na crónica que escreve semanalmente no Jornal da Marinha Grande (JMG). Mas não… está muito á frente!

A MG tem, quer queiram quer não, tem excelentes empresários, industriais, empreendedores, chamem-lhe o que quiserem, mas com provas dadas. E de que maneira! Temos fábricas que ombreiam com as melhores fábricas do mundo! Temos fábricas de vidro, moldes e plástico de nível mundial! E até de embalagens. Fábricas essas equipadas com o máquinas de ultima geração. Está em fase de ensaio uma linha de cromagem de plástico de ultima geração, numa fábrica local. Como clientes têm a industria automóvel, elétrica, eletrónica, farmacêutica, alimentar, embalagem, aeronáutica, de eletrodomésticos etc., ou seja, das mais exigentes quer a nível de qualidade, prazos de entrega… etc.

Temos uma taxa de desemprego residual, podemos mesmo dizer que não temos desemprego, havendo inclusivamente falta de pessoal em muitos sectores.

Grande parte dos empresários não tem qualquer formação, nem tão pouco de professor… pelo menos não conhecemos nenhum! São empresários “self made”. São autodidatas que tiveram que aprender a gerir as suas empresas. A gerir investimentos, pessoal e prospeção de mercado, nos quatro cantos do mundo… e sem saberem línguas!

Agora imagine-se o que estes empresários pensam de como é gerido o concelho! Não será nada de bom certamente! Não têm apoios do município, antes… dificuldades. Os acessos às suas fábricas e empresas são do pior que conhecemos no nosso país. Muitas nem saneamento têm!

E os estrangeiros que visitam estas industrias, o que pensarão quando chegam a esta cidade? Nada de bom, certamente! Mas quando entram nas fábricas mudam de ideias, felizmente!

Conclui-se que a MG tem muitos e bons gestores, com excepção daqueles que gerem (ou deveriam) gerir, o município! Não será assim? Uma câmara que tem um executivo que nem consegue gastar o dinheiro que tem, privando assim os munícipes de beneficiarem dos impostos que pagam, não pode estar a fazer um bom trabalho em prol do concelho! E o que se faz quando uma empresa tem trabalhadores com inaptidão para o cargo que ocupam? É lhes indicado o lugar para saírem por onde entraram, certo?

Só nos resta perguntar…“quo vadis” Marinha Grande?


Seguir
( 5 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

24 comentários

  1. A maior parte dos empresários são “doutores, engenheiros,” que nunca exerceram a profissão, por isso há aqui uma história muito mal contada; mais ainda esses pseudos doutores e engenheiros ficam humilhados se não os tratarem desses nomes.

      • Villas – claro que não terão mais que o 9º ano mas gostam de ser tratados por snr. doutor, snr. engenheiro. Mas do que gostam mesmo é de comprar grandes carrões para mostra ao povo o novo riquismo. Isto é inveja? Não. Devem é pagar salários dignos, pagar as horas extras ao valor legal e deixarem-se de tanta ostentação e de tanto salário mínimo que ainda por cima dizem não poder pagar.

  2. Lá está, o blá blá do costume, imagine-se isto, imagine-se aquilo. Sempre a deitar abaixo. eu pregunto, são esses senhores o exemplo de empreendedorismo quando pagam ordenados pouco dignos e que recorrem constantemente as empresas de trabalho temporário?? são estes senhores o exemplo de seriedade, quando orçamentam um molde por x e na realidade recebem y em que parte desse valor flutua para outros destinos! Enfim, a culpa é sempre dos mesmos, aliás, ao ler estes comunicados do vilas e seus muchachos, leva- me a pensar que o extermínio das baleias piloto nas ilhas Faroé é da responsabilidade do executivo municipal

    6
    1
    • Caríssimo Anti-spam
      Não se trata de blá blá blá, trata-se da realidade. Deixo-lhe outro exercício mental para fazer.

      1. Imagine … então que não havia estes empresários e empresas .

      Já imaginou? Muito bem… foi rápido. Tem (ainda), um bom raciocino o que é bom!

      Qual o resultado final?
      Diga-nos … que agradecemos!

  3. Este pseudo gestor de vão de escada, espécie de líder de um qualquer movimento político, mete—me nojo, é um cobarde que não dá a cara por nada nem por aquilo que escreve, como é o caso. Deveria falar também dos gestores falidos e das “patranhas” que inventam para andarem á tona. Tenha juízo!

    • Vá para a Venezuela ou para a Coreia do Norte. Ainde se lembra dos pais a da Europa de leste?
      São e eram geridos da mesma forma que o.nosso município.

  4. Caro Vilas, tenho a certeza que se os gestores e empresários, que tanto enaltece, estivessem sujeitos ao mesmo escrutínio público de qualquer executivo, independentemente da cor política, mudaria de opinião. É que ao contrário daquilo que pensa, as empresas não são organizações democráticas e, nessa medida, está a compara o que não é comparável.
    O caro Vilas e certamente também o seu correlegionário Curioso, são dos que alimenta a ideia de que qualquer gestor pode ser bom político. Na verdade não faltam por aí gestores e empresários que pensam que gerir uma autarquia não é diferente de gerir uma empresa. E mais, estão até convencidos que dariam excelentes governantes mas, na hora da verdade, preferem a publicação de comentários e críticas na comunicação social a submeterem-se ao escrutínio público. Henrique Neto é um bom exemplo disso. Muitos comentários, muitas críticas, sempre com o mesmo argumentário redondo, com as suas permanentes incursões no domínio da estratégia, conceito aliás já gasto na boca deste empresário. Falta-lhe pôr a mão na massa para fazer a demonstração que pode ser um excelente governante.
    Não quer dizer que não haja excepções mas, na Marinha Grande, aqueles que se perfilam ou perfilaram até ao momento para um carreira politica, mais não são que a expressão local do exemplo à escala global que tem sido Trump. Se com este executivo tem havido razões de queixa por inépcia e falta de experiência de alguns vereadores, com os empresários e gestores com ambição de poder assistiríamos sem dúvida a Trumpização dos destinos do concelho. Ou seja, o pior cenário para qualquer democrata.

    • Caro Cristal
      Não fale do que não sabe! Associar o nosso nome ao Curioso é uma verdadeira “idiotice”! Nem nós conhecemos o Curioso nem ele nos conhece, para que fique bem claro. Nem tudo o que parece… é!
      Sabemos, talvez melhor do que pensa, que as empresas não são (e será que terão que o ser?), organizações democráticas.
      Não sugerimos, ao contrário do que parece querer dizer, a candidatura de um qualquer empresário que se candidate à presidência da CMMG. Mas… não seria má ideia! Como diria o “Tiririca” (candidato brasileiro), com Tiririca pior não fica
      É certo que falta o “traquejo”…político, o que é muito importante, mas estamos convencidos que há bastantes, assim eles aceitassem, que seriam bem mais eficientes, mais audazes…mais capazes!
      Por último fala em “Trumpização” dos destinos do concelho. Nós que não somos adeptos dessa figura, acha que a Marinha Grande está seguir o caminho certo? Pois nós pensamos que pior era difícil…muito difícil!

      1
      1
      • Essa do Tiririca faz-me lembrar um artigo da autoria dessa eminência parda Aurélio Ferreira, publicado no JMG, aquando da primeira eleição de Cavaco Silva para a presidência da república. Nesse artigo de opinião tecia rasgados elogios comparativos ao Tiririca, ao Cavaco Silva e a João Barros Duarte. De uma assentada dizia que teria votado nos dois últimos e só não o fez no primeiro porque não era brasileiro.
        Isto era o Aurélio Ferreira na versão atual recauchutada Trump.
        Com Aurélio Ferreira isto seria desta maneira.

    • Oh Vilas, por falar em cágados, tu podias era hibernar.
      Percebe-se que fazes parte da elite intelectual do LC. Não dizes nada de jeito, tens a visão de uma toupeira, argumentação de uma ténia e a inteligência de uma anémona.
      Que andas a fazer no mundo?

      • Caro Anónimo
        Ainda bem que coloca essa questão. Pois bem, andamos a tentar tornar este mundo e mais concretamente esta terra, melhor e mais justa. Mas sinceramente, está cada vez mais difícil em virtude da existência cada vez maior de pessoas acéfalas e sem educação, que por aqui pairam.

        Cumprimentos

  5. Nota-se bem que os capangas que defendem o actual executivo ficam muito incmodados quando se fala da necessidade de competência.Nem sabem o que é.
    Pior, tentam destruir a discussão e levá-la para o campo da mentira, da falácia e da provocação.
    As pessoas sérias já perceberam quem são e o que os motiva.

  6. Este ultimo anonimo que comentou, está numa cruzada contra tudo e todos.
    Já percebemos que tem sido essa tatica dos alinhados da atual presidencia, e não fosse o anonimato (ou os ridiculos nomes que se intitulam) seriam figuras bonitas e sinistras.
    Mostre lá esse artigo de que fala, para tambem podermos ler e ficar a perceber que tem razão. Ou entao, se nao o mostrar, é mais uma provoção inutil tentando, a partir das trevas, denegrir terceiros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário