CidáliaCMMG

Quando se pensa nos projectos que estão pendentes no concelho, fica sempre a ideia de que eles são estudados e que não há, em relação a cada um deles, questões que possam ser colocadas. Um dos que está em curso é o do Interface Rodoviário que querem construir no parque de estacionamento. Questionada sobre a questão, a resposta da Cidália é de pasmar! Refere ela que há dias terá passado à noite por lá e contou os carros que estavam estacionados. 53 segundo ela. Isso permite-lhe concluir que os setenta e poucos que estão previstos serão suficientes. Diz também que irão retirar o estacionamento pago junto às finanças e que poderá ser equacionado o estacionamento nas instalações da antiga FEIS e alargar para aí estacionamento. Daqui conclui-se facilmente que não existe qualquer estudo relativamente às necessidades de estacionamento e que a sua análise foi feita num simples contar pelos dedos dos carros que naquela noite estavam estacionados. E durante o dia? Quantos são os que estão ali estacionados? Refere que poderá usar-se o que irão fazer na antiga FEIS. Mas há alguma coisa prevista para lá? Ou seja, em 2016 quando enviaram a proposta do Interface, que foi enviada sem que os deputados da oposição tivessem sequer tido possibilidade de o discutir e analisar, remeteram uma proposta feita em cima do joelho, sem que tivessem pensado em todas a variantes e condicionantes que podem existir. Agora estão entalados porque têm necessidade de aprovar à pressa o Interface, mas percebe-se que não há qualquer planificação ou estudo que suporte a viabilidade de construção daquela infraestrutura naquela local. Está tudo feito na base das hipóteses e dos cenários possíveis, sem que haja alguma coisa que sustente a utilidade ou conveniência da construção daquela estrutura naquele local. Não deixa de ser incrível que uma presidente de câmara baseie a sua decisão no facto de, numa noite, ter ido contar carros e estarem lá, naquela noite, estacionados menos do que os previstos no ante-projecto. Se dúvidas houvessem quanto às vantagens ou análise cuidada quanto ao facto de aquela obra ser feita naquele local, a Cidália dissipou-as todas. Percebeu-se que mandaram o projecto para receber fundos comunitários sem que tivessem estudado o assunto e agora querem pressionar todos os eleitos com a chantagem de que se não aprovarem o dinheiro perde-se. Fica uma questão: não caberia ao executivo permanente ter dado oportunidade para que tudo fosse estudado e analisado, com tempo, em vez de estarem agora a chantagear com a ameaça da perda de fundos? É mais um exemplo da incompetência que tem proliferado ao longo dos últimos anos na câmara.

 


Seguir
( 6 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

16 Comentários

  1. Surrealista!
    Contar os carros estacionados numa noite, numa zona em que que não se conhece uma actividade nocturna relevante é uma verdadeira anedota. Parece-me que seria bem contar também os lugares vagos no parque das finanças. Mas o que me chateia e cada vez mais, é este tipo de intervenções destinadas a fazer de nós (munícipes) parvos! É verdade que a ideia e o eventual projecto de ali fazer o terminal rodoviário já ser antigo (que o diga o Bruno Constâncio) há coisas que têm o seu tempo, tanto tempo que até as árvores crescerem a ponto de ser criminoso abate-las.

  2. Em relação ao terminal o que me preocupa mais é exactamente a questão do estacionamento, porque se agora ele durante o dia está cheio poderemos imaginar quando mudarem a conservatória para o atrium será ali que irão estacionar.
    Se for feito da maneira que estão a pensar é um autêntico desastre , pois mesmo o comércio irá sofrer .

    • Caro Anónimo. Não haverá que preocupar. A Cidália entretanto vai lá contá-los e fica o assunto resolvido!

  3. Quem propoe nomes de inteligentes para governar
    Xicos espertos ha muitos mas avançar ou dar a cara està quieto

  4. A ser construído no local planeado pelos PS, sairá com toda a a certeza, mais um elefante branco. Esta decisão em nada beneficiará a vida dos marinhenses. Numa altura em que bastantes municípios deslocam os seus centros intermodais, para fora do centro das cidades, a Marinha Grande vai fazer exatamente o quê? Pois é. Apenas revelam uma enorme falta de visão. Lamentável.

    • O erro está em se pensar que se trata de um centro intermodal, quando se trata apenas e só de um terminal. Não estamos em Nova York ou Londres. E mesmo essas cidades têm equipamentos deste género bem no centro urbano.

  5. E com um espaço ideal para o colocar. Falo nos terrenos da antiga soprem. Fica junto da estação de cf. Linha essa que futuramente poderá ser electrificada. Tens excelentes acessos para sul, norte e autoestrada. Aliviavamos o trânsito de pesados de passageiros do centro da cidade. As infraestruturas futuramente podiam ser alteradas, caso houvesse necessidade, uma vez que há muito espaço, fica a 2 minutos do centro da cidade (para a praça de táxis). Fica junto de uma zona residencial. Enfim só vantagens, e quase nenhumas desvantagens

  6. Já para não falar, que o actual parque das finanças, englobando as traseiras da BP, continuaria a ser uma base de apoio ao estacionamento para os eventos realizados nos parques, tanto o da Cerca como o do Colonialismo. Serviria ainda para apoiar o comércio existente em ambos os centros comerciais, atrium e Lumar, bem como futuras conservatórias e finanças. Durante o dia, aquele parque está quase lotado. Só não vê quem não quer. Mais uma vez digo. Revelam um falta de visão tremenda. Começo a achar, que o PS apenas tem habilidade para construir elefantes brancos. Isso são eles peritos. Lesando financeiramente os cidadãos marinhenses, e o concelho.

  7. Apoio de pé a construção do Interface Rodoviário nos terrenos da Soprem. Nunca no parque de estacionamento, seus incompetentes!

  8. Mas os tecnicos da Camara (os engenheiros , arquitectos, aqueles que estudaram alguma coisa e que ainda têm algum bom senso) não abrem os olhos a este politicos fraquissimos com as suas ideias da treta? E cada ideia pior que a anterior!!!! Mau demais para ser verdade…

    • A Presidente não os ouve… é preciso ser um sonante da mesma cor política para passar a ser irrefutável, caso contrário entra a 10 e sai a 100…

  9. Já aqui escrevemos em devido tempo o que pensamos sobre este tema!
    Parece-nos desajustado para a realidade dá Marinha. O local é péssimo, sendo o ultimo local a ser utilizado.
    Segundo sabemos o local indicado para a sua construção, foi escolhido à 25 anos, ora…muita coisa se passou de aí para cá! Se no século passado era um bom local…hoje não é!
    Assim somos da opinião que quer os terrenos da SOPREM, quer o local indicado pelo Curioso, me parecem de longe melhores.
    Agora sugerir a FEIS, que comprou por 1,2 milhões de euros como alternativa futura para estacionamento… vai lá vai!
    Surreal….mesmo!

  10. Óh Vilas, a cruzada está perdida quanto ao local. A única que se referiu ao local foi a Alexandra e apenas a título pessoal. O técnico do MpM, que presumo seja arquitecto, nada obstou quanto ao local limitando-se a propor a troca do espelho d’agua por estacionamento. Magister dixit.

Comentários estão bloqueados.