CMMGMatas

Desde que começaram as campanhas populares de reflorestamento do Pinhal do Rei, “como gostamos de chamar”, que havia dúvidas sobre a forma como tudo estava a ser feito. Sem planificação e feito muito à medida da visibilidade que quem organizava queria ter, desde o início que ficámos com dúvidas quanto à possibilidade de sobrevivência daqueles pinheiros. Num dos talhões já se pode ver o estado em que estão os pinheiros… mortos! Foi inglória a tentativa de começar a reflorestação, muito porque não houve seguimento do trabalho iniciado. O ICNF não fez nada para acompanhar o crescimento ou sobrevivência dos pinheiros e o resultado está à vista. E isto levá-los ao estado em que estão nos que a câmara comprou e fez questão de plantar com pompa e circunstância no dia da bandeira. Qual o estado dos pinheiros nesse talhão? Mas, mais do que isso, passados que estão uns meses desde o dia da bandeira, qual a utilidade que esse evento trouxe? Qual o retorno que a iniciativa trouxe para a reflorestação ou para o concelho? Cremos que o único proveito foi mesmo para quem viu na bandeira humana um furo ao qual a câmara deu cobertura. Amanhã há reunião de câmara e seria o interessante que os que têm pelouro dessem a conhecer qual foi o real retorno que tivemos daquele evento e que pudessem mostrar aos munícípes em que estado estão os pinheiros comprados pela câmara ou os que foram oferecidos por Fontenay. Seria interessante que explicassem qual o acompanhamento que os seus amigos do ICNF deram àquela plantação.


Seguir
( 8 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

12 Comentários

  1. Cidália Ferreira, explique-nos o nosso tempo perdido em iniciativas com um final destes… Que logro

  2. Coisas avulsas sem qualquer planeamento só podem dar nisto.
    Deu para fazer show off e para a Cidália se pavonear com determinadas entidades e empresas.

  3. a culpa não é só da camara, então e os outros que se aproveitaram para campanha politica, ninguém escreve nada!!!!!!
    pinhal é nosso, morreu

    • O pinhal é nosso nunca andou a plantar pinheiros, aliás sempre se mostrou contra essas ações porque defendia que ainda não era a altura de o fazer. Arrancaram acácias, fizeram protecção e limpeza de cursos de água e criaram um corredor ripícola junto do ribeiro de S. Pedro. Se mais o tivessem feito hoje as águas do ribeiro podiam estar menos poluídas… é que não há suiniculturas para os lados do ribeiro de S. Pedro.

      • investiguem a encosta oueste do ribeiro de s.pedro logo a seguir à nascente e descubram a origem da poluição; à data de hoje a ligação das águas usadas (esgotos) é obrigação de serem ligadas à rede de saneamento; investiguem aonde hoje ainda à casas nâo ligadas a rede e como por”azar” na dita encosta;
        esperamos em breve os resultados de quem tive coragem de mandar investigar

  4. não deixaram o artista da Vieira vender o memorial, e depois queixam-se.
    A par dos pinheiros queimados a apodrecer na mata seria a única coisa a perpetuar a incompetência, o desleixo e a esperteza saloia da presidente e dos seus acólitos.

  5. Sei que o vilas às vezes comete alguns disparates, mas ultimamente até tem andado bem. Para o vilas ir ao otorrino o anónimo das das 15.18 devia de ir ao neurologista fazer um transplante cerebral.
    Quanto às férias existem pessoas do executivo que já foram e vieram ainda mais parvas.ou seja as férias não curam a burrice genética.

Comentários estão bloqueados.