CMMG

Um dos assuntos que não se compreende porque motivo está ainda resolvido tem a ver com a questão da definição clara de regras quanto à atribuição de apoios aos clube e colectividades. Ainda no mandato do ex-vereador Vítor foi afirmado que o regulamento estava pronto, mas quem lhe sucedeu, a Cidália, não deu seguimento. Agora, oito meses depois de terem tomado posse, a Célia ainda não deu sinal de que algo estivesse feito. Apesar de constar pelos corredores da câmara que esse regulamento está pronto a ver a luz do dia, a Cidália parece preferir ter dores de cabeça com o assunto do que fazer aprovar algo que não deixe dúvidas. E as dúvidas são muitas. Desde logo o que se passou na segunda é algo que não se compreende. Apesar de um clube ter equipas na primeira divisão e de, como é óbvio, ter mais gastos, vêm já depois da época terminada com a desculpa de que foram despesas supervenientes. Mas que despesas supervenientes são as que surgem no final de uma época quando se sabe desde o início que esses gastos iriam existir? Não ficou explicado porque motivo a Célia levou o assunto com esta justificação a reunião de câmara nem porque motivo o pedido deu entrada apenas depois de terminada a época. Pelo que conseguimos saber, terá sido dada a garantia de que o apoio iria ser atribuído, com uma justificação qualquer, na esperança de que ninguém levantasse problemas. Mas foram levantados e agora a Célia e a Cidália têm pela frente uma dor de cabeça! Mas os problemas com os apoios não se ficam por aqui. O tratamento desigual que é dado aos clubes é por demais evidente. Deve ser por isso que não se consegue ter acesso aos que são os apoios que cada um recebe, seja em dinheiro seja em apoios indirectos. Não está explicado porque motivo há quem receba apoio por todos os atletas que tem inscritos enquanto outros não são considerados pela totalidade; não está aplicado porque motivo há um clube que recebe uma comparticipação mensal para despesas administrativas enquanto isso não acontece com os outros; não está explicado porque motivo a câmara não avançou ainda com a construção do que se havia comprometido em relação a um clube; não está explicado porque motivo são atribuídos apoios iguais para realidades diferentes e não está explicado porque há quem use bens públicos sem que isso entre nas contas dos apoios e nas contas do que aos demais deveria ser também dado. Claro que nada disto está explicado porque não interessa explicar. Claro que se existisse um regulamento transparente, actual e sem partes omissas a discricionaridade não existiria e isso levaria a que alguém perdesse poder. Não espanta, por isso, que os apoios aos clubes e os critérios de atribuição não sejam tornados públicos porque acreditamos que no momento em que isso acontecesse as dores de cabeça ainda se tornariam maiores. Se os que dão o seu tempo em prol de clubes soubessem tudo o que se passa e o que uns recebem e outros não por certo que pensariam duas vezes antes de acreditarem que todos são tratados de forma igual.


Seguir
( 12 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

13 Comentários

  1. Este é um bom tema, para o inteligente do vilas reflectir, antes de publicar disparates e de falar de temas que desconhece. É aqui que estão os problemas. Viu agora de onde tem de vir o dinheiro toto.

    • Caro Sr. Anónimo das 22:07
      Reflectir em quê… a nossa inteligência não acompanha o seu raciocínio! Diga onde estão os disparates. Obrigado.

      • Ok, aqui vai o desenho, a que proposito coloca a situação das empresas pagarem o desporto? Com conversas das vidreiras
        e grandes empresas. Tem o mail da câmara? fico a espera de um texto com o mesmo entusiasmo a pedinchar verbas.

    • Caro anónimo
      Quando nos referimos a pedir apoio às empresas, é no que diz respeito ao ACM, futebol, ao SCM hóquei em patins (1ª divisão), SIR andebol (1ª divisão), e outras modalidades e clubes com maior visibilidade! Acha que o ACM deve depender da câmara? Estamos entendidos? Não me parece que seja “pedinchar”… !
      Quanto ao ultimo paragrafo, lamento mas não percebi, talvez por ser “toto”!

      • Pois já reparei que tem muitas dificuldades em entender as coisas, por esse motivo quando escrever algo tem de pensar bem se está preparado ou não. Só para concluir ,
        No seu texto o problema não é pedir, mas sim exigir às empresas como se fosse obrigação sua ajudar os clubes. Entendeu agora?

    • Caro Anónimo
      Parece-me é que V. Ex.a não está preparado para as novas realidades! Não acha que as grandes empresas, especialmente estas, têm que apoiar o desporto da Marinha Grande? Se não… estamos conversados! Lamento, mas não é assim que penso!
      A CMMG tem que apoiar, certo! Mas há muito mais que podia ser feito, e que só os apoios publicitários podiam proporcionar!
      Não lhe parece?

      • Desculpe? Novas realidades? Vc é mesmo cabeça dura. As empresas têm??? Agora também é legislador? Não entendeu de novo o que escrevi.
        Vou repetir, esqueça as empresas deixe as em paz. Querem Dinheiro? Trabalhem façam festas, vendam rifas, mexam-se, inovem. Mas esqueça as empresas. Tenho de repetir pela 4a vez?

    • Caro Anónimo…
      Onde vive? Na lua? Só pode! Quer desporto de alta competição com o dinheiro da autarquia? Onde já viu isso? A venda de rifas não dá nem para lavar os equipamentos. Muito já fazem os directores … que trabalham, e muito, de “borla”!

      Cumprimentos

      PS: pode repetir as vezes que quiser.

      • Então vou explicar pela última vez, esqueça a autarquia e assuma que as empresas não são obrigadas a nada, somente podem colaborar se for essa a sua vontade. Não imponha foi esse o seu erro no texto inicial. Quer manter o desporto de alta competição? Ok força tem dinheiro para isso? Eu também gostava de ter muita coisa, mas…
        Resumo, é um problema dos clubes
        Não empurem para terceiros. As rifas foi uma blague claro, nem isso entendeu, pensem numa sad para o marinhense. Abraço

  2. Será que ainda ninguém percebeu que a atribuição de apoios aos clubes e a outras coletividades por parte da Câmara de forma clara e equitativa não interessa á Presidente da Câmara que sempre travou o processo de revisão do regulamento?
    A presidente quer dispor de uma espécie de regulamento que lhe permite atribuir, discricionariamente, os apoios consoante os dirigentes dos clubes a bajulam e cobrem as suas burrices e lhe manifestam apoio político.
    O que se passou na última reunião de Câmara é a prova disso, para além de uma desautorização grosseira da Vereadora Celia e da própria comissão de análise das candidaturas, que pontua as candidaturas não pelo mérito mas a pedido da presidente bem como os montantes que são propostos atribuir.
    A oposição deveria sim exigir um regulamento justo e transparente e até lá recusar a atribuição de quaisquer apoios e não pactuar mais com estas fantochadas.

  3. A colectividade/clube de picassinos é claramente do regime. Ou seja, ps. Sempre de mão estendida para o ps e para a cidália e esta a abrir os cordões à bolsa. Mas se sair de lá o ps e for para lá outros, só mudam os beneficiados. Na marinha há filhos e enteados.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário