CMMG

É público que ontem, no âmbito de uma operação à escala nacional, a PJ esteve a fazer buscas na câmara. Em causa estará um contrato que, pelo que conseguimos saber, poderá nem trazer grandes problemas uma vez que se trata de um contrato público. Há, no entanto, algo que é estranho. A operação da PJ teve lugar durante a manhã e de tarde houve uma reunião do executivo (onde as vereadoras eleitas do PCP não estiveram porque decidiram tirar férias ao mesmo tempo!). O normal seria que a Cidália desse a conhecer aos demais eleitos que a PJ tinha estado lá na câmara a vasculhar papeis e, ainda que pudesse ter alguma reserva em relação a alguma informação, desse a conhecer o que tinha acontecido. Mas não! Fechou-se em copas! Não deu a conhecer o que tinha acontecido nem o porquê do que aconteceu. A oposição teve conhecimento dos factos que envolvem a câmara pela comunicação social! Fica, por isso, a questão: que tem a Cidália a esconder para nem aos vereadores ter aberto o jogo?


Seguir
( 3 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

5 Comentários

  1. “… dos factos que envolvem a Câmara…”
    Caro Curioso, não é excessiva a suspeição que está a lançar?
    Concorde-se ou não com a muita incompetência que graça por aquelas bandas, mas uma coisa são os ditos e mexericos aqui do LC outra é o bom nome das pessoas e das instituições. Tenha um pouco de contenção, para já, e não brinquemos com coisas sérias.
    Eu também sou muito crítica deste executivo mas lançar as pessoas ao lodo, nunca.

    • Caro Anónimo. Os “factos que envolvem a câmara” são o facto de ter existido uma busca efectuada pela PJ. São apenas esses “os factos” a que nos referimos e são factos objectivos. Foi sobre esse facto que os vereadores não foram informados. Quanto ao teor da investigação, desconhecemos pelo que sobre factos que aí possam estar a ser investigados não nos pronunciamos. Não há, por isso, qualquer suspeição sobre o que quer que seja. Quanto ao facto de ter sido omitida a informação “dos factos que envolvem a câmara”, que foi o ter sido alvo de busca, não se trata de estarmos a levantar suspeição, estamos mesmo a afirmar. Houve omissão dessa informação.

  2. Não deveria a câmara ter já vindo a publico explicar qual o objectivo das buscas, os motivos etc.? Assim acabavam-se todas as especulações, certo?

    • Caro Vilas. Parece-nos que a informação que deram ao público é a que poderiam dar sob pena de poderem violar alguma questão que esteja em segredo. Coisa diferente é o que deveria ter sido dito aos vereadores que, afinal de contas, fazem parte do executivo.

  3. Caro Curioso
    Correcto, admitimos essa justificação. Mas, não seria de bom tom emitir um comunicado e colocá-lo no portal?
    Não entendemos (e cada vez menos), para que serve o portal.

    Assim vai a Marinha!

Comentários estão bloqueados.