PS

Pelo maior bem do Concelho

No seguimento dos resultados das ultimas eleições autárquicas, e mesmo antes da instalação dos Órgãos, o Partido Socialista convidou para reuniões todas as forças políticas com representação nos mesmos, no sentido de obter contributos para a gestão do mandato.
Por ser o PCP ( CDU ) a segunda força política mais votada, foi a primeira com a qual reuniu, tendo o PS informado o PCP, que estava disponível para partilhar os pelouros sem, note-se, qualquer restrição ou impedimento sobre qualquer pelouro.
Em jeito de criação de um bom clima de início de reunião, o líder da bancada do PS na Assembleia Municipal afirmou “só o pelouro das finanças não está em discussão porque pertence à Presidente da Câmara e provavelmente vocês também não o quereriam“.
A resposta do PCP foi a de que não estava disponível para participar no Executivo Municipal com pelouros, e que essa era a orientação que tinha dado às suas vereadoras eleitas.
Com a evolução do mandato, este assunto esteve sempre presente nas intenções do Partido Socialista, embora adormecido dada a posição manifestada pelo PCP.
Na passada semana o PS voltou a convidar o PCP para uma reunião onde, de novo, reiterou a disponibilidade do PS em distribuir pelouros às vereadoras da CDU na Câmara Municipal.
Mais uma vez referimos que nos parece estarmos a corresponder à vontade do eleitorado dos dois partidos, e também porque assim nos parecem exigir os interesses do concelho. Por isso o PS reafirmou que continuava disponível para distribuir pelouros à CDU sem qualquer restrição ou impedimento sobre qualquer pelouro.
Apresentámos, de novo, a nossa disponibilidade para distribuir pelouros às vereadoras da CDU, designadamente: Obras Particulares e Urbanismo, Desporto ou Educação ou Cultura ou Acção Social ou mesmo a presença na Administração da TUMG.
Ainda, se o PCP entendesse que as Vereadoras da CDU ambicionassem assumir outro tipo de pelouros, o PS não estava naquela reunião com nenhuma limitação ou restrição e, em consequência, aceitaria essa manifestação de vontade.
No decurso da reunião reiterámos ainda, por outro lado, que estávamos disponíveis para reforçar os meios de transferência para as juntas de freguesia, incluindo a da Marinha Grande que é da CDU, porque todos entendemos que os serviços das juntas de freguesia são um bom trabalho de proximidade que se presta à população.
Os representantes do PCP responderam que continuavam a não querer assumir pelouros na câmara municipal e que isso era uma posição definitiva.
O PS reafirmou que respeita esta decisão do PCP, tendo a reunião decorrido de forma franca e muito cordial.
Face ao teor do comunicado que o PCP acaba de enviar para os jornais, e porque o PS não quer que nenhuma dúvida subsista sobre o teor e o alcance da nossa proposta, mais uma vez, reiteramos e agora afirmando-o publicamente:

O PS, a bem dos interesses do concelho, quer, porque essa é a leitura que faz do sentimento da população, entregar pelouros às Vereadoras da CDU na Câmara Municipal da Marinha Grande.

Não obstante o PCP ter dito que não desejava manter mais conversações sobre esta matéria, o PS informa que está sempre disponível para retomar as conversações a bem do concelho da Marinha Grande.
Seja qual for o desfecho deste processo, o compromisso do PS com a população do concelho da Marinha Grande continuará a ser a nossa prioridade esperando que as políticas da Oposição estejam de fato ao dispor de todos os Marinhenses, Vieirenses e Moitenses, não sendo utilizadas como oportunismo político para servir interesses meramente eleitoralistas.
Marinha Grande, 11 de Maio de 2018
O Secretariado da Comissão Política Concelhia do Partido Socialista”

Seguir
( 2 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

4 Comentários

  1. Resposta hipócrita escrita pelo Nelson.
    Todos sabemos que o Nelson não consegue trabalhar com ninguém e que a sua especialidade é a confusão, a provocação e passar resteiras.
    É o seu percurso de vida e por isso o esconde.
    A Cidália é uma triste pelas figuras que faz e pelo mal que representa a nossa terra. É confrangedor.

  2. Devem estar a preparar-se para tentar enrolar o MPM.
    Só que eles também são finos e não vão nas conversas dessa gente.
    Só não percebo o interesse da Alexandra em ter pelouros em contradição com a posição oficial da CDU. Ela lá deve saber.

  3. Têm sido estas politiquices o lastro cada vez mais desequilibrado e contrário ao progresso da Marinha Grande e dos marinhenses.
    Se pela parte do PS tem havido uma manifesta e expressa vontade em atribuir pelouros sem qualquer limitação, face aquela que é a sua leitura das eleições, já o PCP não justifica objectivamente a sua posição. O PCP continua a ignorar a vontade da maioria dos marinhenses que votaram nestes partidos, preferindo refugiar-se em posições dogmáticas e de cálculo político, colocando, quase sempre, o interesse de todos os marinhenses em segundo lugar.
    A história de Marinha Grande é prodiga em posições político-ideológicas do PCP no pós 25 de Abril, em sintonia com as suas correias de transmissão, que nada trouxeram à Marinha Grande. É tempo de mais acção e menos retórica. A maioria dos marinhenses punirá de forma severa estes comportamentos na primeira oportunidade.

    Não havendo entendimento, como parece ser o caso, com o PCP e tendo o MPM já declarado, de forma conclusiva, este assunto encerrado, resta ao PS pôr termo a ao tabu e governar a autarquia de acordo com o seu programa maioritariamente sufragado. Sem receio de o assumir. Com entusiasmo e vigor. Sem desculpas de circunstância. Sem os erros que tem cometido. Sem embarcar em imediatismos populista, obrigar a oposição a manifestar a sua posição pelo voto nos projectos que o PS tem para apresentar aos marinhenses.
    Basta de tibieza e condescendência com a oposição e com as tutelas políticas que muito têm retirado à Marinha Grande e pouco lhe têm dado.
    Este é o tempo de resolver os problemas que afetam a vida dos marinhenses e têm impedido o progresso.
    Este é o tempo do trabalho com rigor, processual e político, na resolução dos problemas que todos já identificámos e que devem ter resposta, sem demora.
    Como já alguém disse numa Assembleia Municipal, o tempo não se repete.
    Esta pode ser o tempo da última oportunidade do PS na Marinha Grande.
    Mãos à Obra.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário