CMMGCPCJ

Diz-se habitualmente que ‘quem muitos burros toca, algum deixa para trás’. Isso ficou há pouco claro quando a Cidália é confrontada com o facto de ter ela, sozinha, nomeado a Célia para o lugar que antes era por si ocupado na CPCJ sem que tivesse sido uma decisão da câmara. Ficou claro que a Cidália tem vindo a gerir aquela entidade de um modo estranho, com apoios e verbas que ela tem implementado sabendo que há dúvidas quanto à sua legalidade. Ficou “tãobem” claro que o que tem feito naquele órgão tem sido muito pouco, a julgar pelo tempo que tem despendido para aquela função. Não é compreensível que a presidente da Câmara tenha feito uma nomeação sem que o assunto tenha sido levado a reunião de câmara, apenas porque são “procedimentos que têm sido habituais”. Fica a sensação de que tudo é feito em cima do joelho, sem que seja pensado no que está a ser feito e sem que se pense nas implicações das decisões tomadas. O desempenho da Cidália naquele órgão sempre deixou dúvidas quando se sabia que ela tinha outras funções que não lhe permitiam estar a dar a atenção devida e necessária às crianças em risco. Contrariamente ao que prevíamos, quem está a sair-se menos mal é o Caetano! É, aliás, notório, pela forma como vai reagindo sempre que a Cidália fala ou os vereadores da oposição, que não há total consonância com o que a presidente vai afirmando. Se a Cidália parece estar estagnada, o vereador está a surpreender!


Seguir
( 1 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

4 Comentários

  1. Sabendo-se que a presidente da CPCJ ocupa o lugar a tempo inteiro, tal como referiu a procuradora presente na reunião, vamos ver como é a presidente a nível nacional, Rosário Farmhouse, e já não o Juiz Leandro de Almeida que sempre aceitou que a Cidália ocupasse o lugar, mesmo sendo vereadora a tempo inteiro, aceita que a Célia ocupe o lugar para que foi indicada pela Cidália. Ordens expressas de votação na Célia, mas o tiro saiu-lhes ao lado! A democracia para os lados da Câmara pára quando lhes é conveniente e toca de usar o poder absoluto.
    Como é que a Célia, que é vereadora a tempo inteiro, pode ocupar o lugar de presidente da CPCJ a tempo inteiro? Será que é muito difícil ver que é uma afronta à legalidade da lei em vigor? Era muito melhor alterarem a lei e depois nomearem a Célia para o lugar. Aliás, a Célia é uma pessoa que percebe muito de questões sociais…

  2. Então o que está a fazer o Pedrosa na CPCJ?
    Ele não está lá a tempo inteiro?
    Não poderia ser ele o Presidente?

Comentários estão bloqueados.