Fugir com o rabo à seringa

CuriosoCMMG2 Comentários


A expressão ‘fugir com o rabo à seringa’ é a que melhor explica aquilo que ontem se assistiu na reunião de câmara. A propósito das obras no Centro de Saúde ou dos protocolos com os Tocándar ou Orquestra o que se assistiu foi a uma tentativa de alguém ‘fugir com o rabo à seringa’ tentando não assumir as responsabilidades daquilo que é levado para ser aprovado pelos eleitos. Quererem que se gaste um milhão de euros sem que esteja fundamentado o aumento do preço ou levar protocolos para serem assinados sem que esteja presente dos o histórico das negociações não pode deixar de ser entendido como uma tentativa de alguém não assumir o aumento do custo da obra, não ter que ser assumido o erro que foi cometido quando levaram a concurso algo que custa quase o dobro ou não ter que assumir a negociação e o texto dos protocolos, desresponsabilizando-se do que possa vir a acontecer no futuro. A questão das adjudicações pelo preço mais baixo é, aliás, um problema conhecido. A câmara tenta ir pelo preço mais baixo, mesmo quando os construtores alertam para a impossibilidade de a obra ser feita por esse preço, mas insistem em ir pela pechincha. O resultado tem estado à vista e está mais uma vez com a obra do parque parada porque o que foi contratado não chega para todas as despesas. Mas voltando ao início, ontem percebeu-se que não importa a alguns dos que decidem que os assuntos lhes sejam levados sem que estejam com todos os documentos que são necessários para que eles saibam o que aconteceu. Decidem sem saber o que está a ser decidido. Aliás, sendo uma reunião da câmara não se conseguiu entender a defesa que a Alexandra fez do assunto que envolvia a Junta, parecendo até esquecer-se que é vereadora e não elemento da Junta. Falou a cor do partido mais do que o que possa ser o interesse dos munícipes. Também ficou por perceber como é que a Cidália insiste na votação de um ponto em relação ao qual eleitos se recusam votar por não terem todos os elementos necessários e não procura cumprir o que é exigido. Será que não sabe que a votação poderá ser invalidada por não terem sido facultados aos eleitos todos os elementos que lhes permitam votar em consciência? Será que não sabe que no momento em que um eleito se recusa a votar um qualquer assunto por ausência de processo instruído devidamente a votação não deve ir para a frente sob pena de tudo poder ter que voltar a ter que ser votado? Claro que não sabe. Aliás, por falar em não saber, continua a ser visível a sua dificuldade em conduzir os trabalhos da reunião de câmara.


Seguir
( 1 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

2 Comentário em “Fugir com o rabo à seringa”

  1. Vilas

    Foi mau de mais para ser verdade! Eu não chamaria dificuldade, eu diria incapacidade! Chegou a ser mal educada para com a vereadora Ana. Fala sempre com ar de “pouco amigos”, desconfiada e incapaz de olhar nos olhos os interlocutores.

    Inacreditável!

  2. Avatar

    Estavam à espera que a Cidália fosse minimamente competente para fazer seja o que fôr??? Ela tem provas dadas no campo da incompetência, há largos anos ! Qual a novidade?

Leave a Reply