CMMG

A expressão ‘começar a casa pelo telhado’ tem momentos em que encaixa que nem uma luva em coisas que acontecem aqui na terra. Referimos, desta vez, ao que se passa com as obras no centro de saúde que não vão começar tão cedo. Sabe-se que o edifício é do Ministério da Saúde e que a câmara irá ajudar nas obras. Não deveria ser assim porque pagamos impostos para isso, mas até se dá de barato que possa haver essa comparticipação. Quando há conhecimento de que uma obra é lançada a concurso parte-se do princípio que se sabe quanto irá custar para que se possa fazer tudo o mais rapidamente possível, sem perda de tempo. A câmara fez um comunicado onde explica o motivo da obra não ter sido ‘agarrada’ por nenhuma empresa. A justificação é simples: enganaram-se no custo! Ou seja, antes de lançado o concurso ninguém se deu ao trabalho de saber quanto é que a obra poderia custar e se iriam aparecer interessados. Só depois de não haver quem quisesse fazer a obra é que na câmara se lembraram de ir ver quanto é que poderia custar. A diferença entre o custo e o valor que queriam que alguém fizesse a obra tem uma ligeira diferença: entre 250 e 550 mil euros! Coisa pouca! Ou seja, porque não houve uma mente pensadora que se tivesse dado ao trabalho de ver quanto poderia, na realidade, custar a obra, iremos ter muitos mais meses de um centro de saúde votado ao esquecimento. Com tudo isto, como temos uma câmara amiga do partido que está no Governo e um Governo que manda cá uns Ministros e Secretários de Estado dar uma ajuda à Cidália, lá teremos que ir abrir os cordões à bolsa para arcar com mais despesas que deveriam ser exclusivamente suportadas pelo Estado. Neste meio tempo, por incompetência de quem quis mandar fazer a obra abaixo do custo, teremos os utentes a ter o mesmo serviço que têm tido. E, por falar em centro de saúde, como está a questão dos médicos que continuam a não aparecer?


Seguir
( 1 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

2 Comentários

  1. O problema da falta de médicos é o problema que a população quer ver resolvido com urgência” AS PESSOAS QUEREM CONSULTAS!!!!!! OS POLITICOS QUEREM CONSTRUIR PALÁCIOS!!!!!!

  2. O centro de saúde precisa de obras sim… no interior; começando por reestruturar toda a equipa interna e fazer funcionar o que deixou de funcionar.
    Mas bem se uma simples questão matemática, no que toca aos gastos, nao foi vista por nenhum iluminado era agora a questao humana que ia ser diferente ….
    Pra mim é uma constate desilusão com o desempenho camarário…

Comentários estão bloqueados.