CidáliaLuís GuerraSaúde

Sabe-se que para amanhã está convocada uma manifestação em frente ao Centro de Saúde. Já escrevemos sobre isso. Chegaram-nos, no entanto, informações que nos deixam intrigados e preocupados. De acordo com aquilo a que tivemos acesso a Cidália recebeu informação da parte de quem tem, a nível do Ministério da Saúde, vindo a tratar do assunto da falta de médicos. Pelo que se pode ler que em relação a “Médicos – estamos a tentar a contratualização de pessoal médico através de empresas de prestação de serviços e em simultâneo através de concurso a decorrer para colocação de novos especialistas. Tal situação revela um profundo empenho do ACES e da ARS. Através de empresa, solicitámos a alocação de médicos em número suficiente para colmatar todas as vagas existentes, tanto a nível de Centro de Saúde – médicos de família, como no SAP – médicos não especialistas em MGF. Através de concurso e dado que nos foram atribuídos apenas 6 elementos, foram pedidos os 3 especialistas necessários para os ficheiros sem médico“. Que quanto a “Enfermeiros – Na presente data e para os cuidados assistenciais, a vinda dos novos elementos tornou o quadro estável embora a médio prazo e com a criação das unidades venham a ser necessários mais profissionais“. Em relação a “Administrativos – estão vossas Exªs a colaborar na tentativa de mobilidade de elementos de modo a poderem integrar os quadros da saúde, o que desde já registo e agradeço. Com esta medida julgamos conseguir estabilizar o quadro de AO / AT necessários“. Pode ler-se que estão a “aguardar a evolução tanto ao nível da contratualização por empresa como vindos através do concurso por parte dos médicos. Se tal acontecer e os 2 procedimentos estão a decorrer, em breve poderemos finalmente organizar as equipas independentemente das obras que irão decorrer no edifício sede“.

Pelo que tivemos conhecimento, de todos estes factos tem sido dado conhecimento ao Guerra. Começa, por isso, a perceber-se o motivo de a Cidália estar descontente com a concentração agendada uma vez que, tendo o Guerra conhecimento de tudo isto, aquela convocatória tem um sentido mais politico do que de resolução do problema da contratação de médicos que, pelo que agora se sabe, está em curso. Claro que esta informação não deverá ser amanhã dada a conhecer junto dos que irão comparecer e acreditamos que quando as diligências que são referidas no documento a que tivemos acesso derem fruto é provável que alguém vá atribuir os resultados à concentração! Parece existir assim um braço de ferro entre a Cidália e o Guerra, parecendo que este está a usar a comissão de utentes para fins que vão além daquilo a que a comissão se propõe. De que modo se entenderá que não seja dado a conhecer aos utentes as informações que lhe são transmitidas pela Cidália e que atrás transcrevemos? A saúde é uma prioridade e tudo o que possa ser feito para que se tenha melhores condições é útil, mas não gostamos quando não é contada toda a verdade ou são escondidos factos importantes. Gostamos menos quando se usa as necessidades dos utentes para o que parece ser uma agenda não divulgada.


Seguir
( 5 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

11 comentários

  1. Pena que num assunto tão sério a Câmara ou o gabinete da presidência não assuma o que informa e prefira o anonimato, no “diz que disse” para lançar poeira aos olhos do povo e suspeições sobre o presidente do órgão autárquico (AM) que fiscaliza a ação do anónimo informante (Câmara).
    Este método de lançar contra-informação é sobejamente conhecido nos escritos e método do Nelson, por isso escolham outro método porque este está gasto e denocia desde logo o seu autor.

    • Caro Anónimo. Não se trata de “diz que disse”. São factos e não se trata de levantar suspeições sobre quem quer que seja. Apenas surgem dúvidas quando se tem acesso a informação que evidencia factos que depois não são relatados. Não deixa de ser estranho que esteja mais preocupado com a “suspeição” que refere do que em apurar a verdade!

  2. O Nelson deve ter culpa de muita coisa, mas desta vez não tem, a informação não saiu da câmara. Mas vamos ao que interessa, se em fevereiro tudo isto tiver acontecido confirma que o post é verdadeiro e que está a haver um aproveitamento politico e não o mais alto interesse da população. De onde vem é secundário.

  3. Sim o comentário esclarecedor é da lavra do Nelson. O tal que chamou camelos aos seus opositores internos. Não percebo o Curioso. Esta informação está gasta… Já antes das eleições era o que a Cidália prometia! E se havia toda esta informação a dar, porquê o não fez o responsável do ACES quando a comitiva da Comissão de Utentes foi a Leiria???? Areia para os olhos de quem??? Dos meus não!

    • Caro Anónimo. Já pensou que a comissão não tem qualquer valor formal e cremos quem menos valor legal tem. Em que notário foi constituída a comissão? Quantos utentes assinaram a constituição da comissão para que um organismo do Estado a aceite como organização formalmente constituida?

      • O MFA também não tinha valor formal ou legal e devolveu-nos a liberdade em 25 de Abril de 1974.

      • Caro Anónimo. Parece-nos que é uma comparação sem fundamento. Naquele tempo vivia-se em ditadura, sem órgãos democraticamente eleitos, goste-se ou não dos eleitos.

  4. Por isso, TODOS Á CONCENTRAÇÃO NO CENTRO DE SAÚDE PELAS 18 horas! É só tenho pena de não ser ter mudado o local da concentração para a Resinagem à espera do Costa… A quem gostava que se sentisse mal e precisasse de ir ao Centro de Saúde! Aí é que ele via como era!

  5. Este método de tentativa de desmobilizar a população, com manobras de contra-informação, são os mesmos do tempo do fascismo, por isso Dra Cidália, estamos na Marinha Grande, no século XXI, e, fascismo nunca mais, nem na forma nem nos métodos.
    Ás 18 horas todos ao Centro de Saúde para exigirmos o direito á saúde e o cumprimento do SNS.

  6. Mau de mais para ser Verdade! Politiquices nos domínios autárquicos determina afastamento dos Cidadãos e mais e mais Abstenção! Num Concelho com a História da Marinha Grande eleger autarcas com participação abaixo de 50% e seguir rumos como os descritos auguro mau futuro!

  7. É triste! Muito triste!
    Um concelho que comparticipa e muito com o pagamento de impostos ser tratada desta forma pelos governantes!

    Aquilo que pagam para a segurança social empregados e empregadores dava para terem uma assistência médica de excelência!

    E o que temos…uns governantes que apesar das “afinidades” com os nossos autarcas… não lhes dão “conversa” e muito menos …respostas!

    Talvez por saberem que são “favas contada”, quer dizer…são votos garantidos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário