Passinhos de bebé

CuriosoCMMG, Mercado2 Comentários


Já se sabe que a câmara decidiu a localização do mercado. Não houve debate ou discussão pública, mas no final da semana foram revelados parte dos resultados do ‘estudo’ que foi feito e onde foram gastos cerca de seis mil euros. Seria expectável que, depois do que foi prometido, os resultados fossem divulgados antes da decisão para que os munícipes pudessem saber o que poderia vir a ser decidido, mas não. Os eleitos optaram por decidir sozinhos. Refere a notícia da câmara que “a maioria dos inquiridos prefere um Mercado maior que o atual (69%)” e que “a maioria prefere ter um mercado todo o coberto (71%)”. Quem lê a notícia fica com a ideia que os eleitos se basearam num estudo profundo e bem fundamentado. Para que não influenciemos quem possa ler, deixamos aqui o estudo completo. Tirem as vossas conclusões! Mas a decisão sobre a localização do mercado e a notícia que saiu não explica o que vai ser feito a seguir. Parece que é um assunto que vai andando como os os primeiros ‘passinhos de bebé’, devagar, devagarinho, trémulo e sem convicção. A notícia não explica quando nem como vai ser feita a alteração do plano de pormenor, como contam assegurar maioria bastante para que isso aconteça, onde vão construir o que estava previsto ser feito no local onde foi decidido agora construir o mercado e, acima de tudo, onde vão buscar o dinheiro para a sua construção. Não há fundos comunitários onde possam integrar a obra e, apesar da câmara ter bastante dinheiro, ele não chega para as obras da adutora, do centro escolar, da piscina, do mercado e tantas mais que são necessárias. No fundo, o que aconteceu foi mais uma decisão bem à maneira do que costuma acontecer: quando se quer empurrar o assunto para a frente sem fazer nada, cria-se uma comissão ou encomenda-se um estudo.

 


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

2 Comentário em “Passinhos de bebé”

  1. Ernesto Silva

    Há já alguns dias escrevi num post que já ouço falar na questão do mercado quando se pensou na autarquia construirem 2 mercados sendo um a ficar situado nas Vergieiras e o outro noutro local. Se alguém souber essa data agradeço para não me enganar. Portanto a fama já vem de longe. Não construiram mercado o que é uma indignidade e agora querem ratar a zona desportiva. Quanto à piscina vamos ao concelho vizinho de Leiria ou Alcobaça e temos o problema resolvido. Com gente assim o melhor é não fazer nada. Veja-se o que fez a autarquia com as várias forças no poder executivo e com deputados notáveis no parlamento. O que pensarão os familiares daqueles que morreram nas prisões de Caxias, Peniche ou Tarrafal dos seus sucessores? BOLA.

  2. Avatar

    Todo este assunto é uma falácia.

    No tal “inquérito”, a empresa foi “PROIBIDA” de colocar como localização possível um mercado NOVO, que já existe. É estranho não é?

    Depois dão três localizações à escolha, a saber:

    – ESTALEIROS – Em teoria seria possível, porque o terreno é da Câmara, mas obrigava a investir em novos estaleiros noutro local e a única saída do tráfego daquela zona é para a Rotunda do Atrium.

    – FÁBRICA STEPHENS – Este terreno é privado. Não pertence à Câmara. Como é, que seriamente, estejam a passar a mensagem às pessoas de que o Mercado podia ser construído ali. em terreno alheio?

    – “PROXIMIDADES” DA ACTUAL LOCALIZAÇÃO DAS BARRACAS” – Proximidade??? O que é isso? Dentro da área afecta ao PP da Zona Desportiva? É que no local onde está, obrigaria a Câmara a ir renegociar a cláusula de reversão com o IGFSS que o vendeu barato para equipamentos desportivos e mesmo que isso viesse a ser possível, tem que ser alterado o PDM em primeiro lugar e só depois o PP da Zona Desportiva. As pessoa que responderam não sabem disto. Os responsáveis da Câmara esconderam esta informação.

    Mesmo assim, com estas DESONESTAS JOGADAS DE XICOS ESPERTOS, ouvindo (pensamos nós) os inquiridos, verificamos que a esmagadora maioria são pessoas idosas e que, como 1.ª OPÇÃO, só 57% é que indicou a “proximidade” das barracas, sem sequer saber onde será, estando aqui incluídos os actuais comerciantes e actuais clientes.

    Quando perguntado aos utentes o que é que os faria ir mais frequentemente ao mercado, 37% diz que “MELHORES CONDIÇÕES” e só 3% diz LOCALIZAÇÃO.

    Esta gente enlouqueceu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

  
Please enter an e-mail address