PCPVitor

«Este será ano de eleições autárquicas. Presumivelmente lá para Setembro as diversas forças políticas serão colocadas à apreciação e decisão dos eleitores. Este é pois um ano em que o PS, enquanto poder, sempre nos habituou a um sem número de iniciativas de última hora que visam mostrar que se faz obra. Estou convicto que também desta vez não será diferente. Iremos ter um sem número de pequenas obras que pretenderão dizer aos eleitores que fazem obra e que por conseguinte merecem o seu voto. O alcatroamento de vias, os arranjos de zonas verdes, as festas e as iniciativas de animação serão aquilo em que o PS se vai empenhar. Sempre defendi o contrário deste tipo de encenações baratas que mais não são que um verdadeiro atentado à inteligência das pessoas. Claro que o alcatroamento de vias é importante. Quem é que não quer boas estradas para circular. Claro que é importante zonas verdes bem arranjadas e bem tratadas. Quem é que não gosta de passear e apreciar aquilo que de bom a natureza nos dá. Claro que é importante a realização de festas e outras iniciativas de animação. Eu próprio fui um dos dinamizadores das Festas da Cidade. O problema é que o PS se prepara para em 2017 gastar a eito, sem rei nem roque, sem planeamento e sem definição de prioridades, olhando unicamente para o umbigo, repastando-se com o dinheiro público para fazer a sua verdadeira campanha eleitoral. Costuma-se dizer que “com papas e bolos se enganam os tolos” e o PS ainda acredita que pode mascarar a sua total inércia de sete anos, com meia dúzia de iniciativas durante 2017. Estou convicto que os eleitores, cada vez mais informados, cada vez mais esclarecidos e cada vez mais ponderados, saberão separar as águas e não embarcarão em cantos de sereia, sabendo dar a devida resposta aos vendilhões de ilusões fáceis. O nosso concelho, a Marinha Grande, a Vieira de Leiria e a Moita não podem mais ficar à mercê de quem não sabe gerir a coisa pública. O nosso concelho necessita de uma política agregadora em que se coloque em pé de igualdade todas as freguesias e todos os lugares e se repudie para sempre a política seguida pelo PS de colocar os munícipes uns contra os outros. O nosso concelho necessita de uma política de visão, definindo claramente o que queremos para um desenvolvimento sustentado e como vamos alcançar os objectivos a que nos propomos. Não bastará com toda a certeza aquilo que o PS tem feito, gerindo o dia a dia, remediando situações (mal na sua maioria) e não sabendo como aplicar, nem onde nem como, os muitos milhões em cofre. Os vereadores da CDU apoiarão todas as iniciativas e obras que se mostrem válidas para as populações. Rejeitaremos e denunciaremos todas aquelas que não sejam prioritárias, que evidenciem gastos desnecessários e que se manifestem como verdadeiras acções de campanha eleitoral do PS. Outro assunto que quero trazer ao conhecimento dos munícipes tem a ver com as antigas instalações do Mercado Municipal que hoje recuperou a sua verdadeira designação de Edifício da Resinagem. Todos são conhecedores das obras de requalificação havidas, não sendo minha intenção a discussão neste momento das mais valias do mesmo. O que hoje quero aqui manifestar (quase gritar) é um desagrado já manifestado por todos os vereadores a que o PS continua a fazer orelhas moucas. A verdade é que o edifício sofre de inúmeras situações que são efectivos defeitos de obra, situações essas que são perfeitamente visíveis para quem visitar as instalações e que a Câmara PS teima em não resolver junto da empresa responsável pelas obras de requalificação. Primeiro diziam que “são edifícios antigos, existem sempre problemas”. Perguntamos nós, e então a Casa da Cultura – Teatro Stephens? Pelo menos a olho nu não apresenta tais problemas. Por isso digo ao Senhor Presidente de Câmara que de uma vez por todas, reúna com os técnicos da Câmara, identifique claramente os erros e os defeitos da obra, chame a empresa, assuma de vez os seus poderes e determine que a empresa assuma as suas responsabilidades resolvendo todas as anomalias conforme é sua obrigação legal. O problema é que isto já se arrasta quase há três anos e os marinhenses não podem sair mais prejudicados ainda desta obra que já tem estória para filhos e netos.»

Autor: Vítor Pereira, JMG

Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário