As comemorações

Curioso18 Janeiro, CMMG3 Comentários


Todos os anos as comemorações do aniversário do 18 de Janeiro são organizadas pelo sindicato dos vidreiros. O ano passado houve polémica por ter sido agendado para a mesma hora a romagem e a sessão solene nos passos do concelho. Este ano não há sessão solene! Não se percebe muito bem o porquê de num ano ela ter lugar e no ano seguinte não estar prevista. É, aliás, notória a diferença entre o programa que é apresentado pelo sindicato e o que a câmara dá a conhecer. Quase parece que vivemos em terras diferentes e que o que o 18 de Janeiro simboliza não deveria ser sentido por todos do mesmo modo. Mas é provável que assim seja! Desde há muito que um dos dirigentes de uma das centrais sindicais tem assumido uma postura muito pouco próxima do que são os interesses dos trabalhadores. Tem, ao longo dos últimos anos, assumido posições mais de direita. Recordamos o que em Outubro de 2015 disse quando o Costa fez o acordo à esquerda: “Não me parece que efetivamente as forças à esquerda do Partido Socialista, dêem, na minha opinião, a garantia de estabilidade em relação ao futuro“. Tem ficado clara a sua capacidade de prever o futuro! É assim evidente que a intenção da câmara em convidar o Silva para fazer uma ‘conferência’ sobre o 18 de Janeiro, à margem do sindicato – conferência que não consta no programa apresentado pelo STIV -, mais não é do que uma forma de se distanciar da organização das comemorações. Fica assim a dúvida sobre o porquê de existirem dois programas distintos e qual o motivo de a câmara querer distanciar-se das comemorações ‘oficiais’ (designação nossa)! É que se a organização das comemorações não é organização do sindicato, a que título se atribui subsidio para esse efeito? O executivo permanente fez assim questão de ter umas comemorações paralelas às que o STIV preparou o que vem evidenciar uma clara intenção de se separar daquela organização, afastando-se do espírito que esteve na base da revolução. Como se não bastasse terem convidado para a conferência quem tem assumido posições muito à direita, de uma central sindical que não está associada à luta dos vidreiros (e basta ver quantos são os que estão a ela ligados), não darem sequer a conhecer o programa organizado pelo sindicato contraria o que o 18 de Janeiro simboliza: unidade dos trabalhadores.


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

3 Comentário em “As comemorações”

  1. Avatar

    Provocação desnecessária, embora eu pense que o STIV foi um dos coveiros da cristalaria, talvez até o que mais responsabilidades acumula.

  2. Ernesto Silva

    A n/ autarquia face ao insucesso demonstrado vai querer vitimizar-se e para isso melhor do que uma provocação não há. E então pretende fazer-se representar por alguém que não faz qualquer sentido na sociedade portuguesa. A não ser nos fundos sociais europeus igualmente doados no tempo de Cavaco e que se arrestou por 18 anos nos Tribunais. Será que Torres Couto ou outro foram levados para Évora? Não se passou nada apenas mal entendidos.
    Quanto aos coveiros da indústria vidreira o primeiro e único foi Cavaco Silva. Nas presidenciais quando passou por aqui e na zona industrial foi presenteado por um cartaz gigante que atravessava a estrada que dizia isso mesmo. E quem o fez não foram seguidores da CGTP. Foram vidreiros livres de qualquer pressão. Ele Cavaco negociou o fim das pescas, da agricultura, das indústrias a troco de recebermos mais uns milhões de Euros. Mas ao preço que esta indústria comprava a energia 40% mais cara do o n/ vizinho da Península não havia outra solução. Por outro lado e sabendo A UE que se caminhava num sentido de uma maior pobreza não fazia sentido de grandes fábricas de grandes produções porque não haveria num futuro próximo dinheiro para comprar esses produtos, como se está a verificar. A UE a várias velocidades é maquiavélica. Vejam-se os exemplos da Polónia, Hungria e Roménia. E os civilizados bifes da Grã-Bretanha que já não sabem o que fazer ao Brexit. O discurso de hoje da 1ª ministra é só um exemplo de como está a UE. E para quando a entrega da carta ao abrigo do artigo 50º para abandonarem a UE?

Deixar uma resposta