“Le mairie sont deux”

CuriosoCMMG, Vicente4 Comentários


No tempo de Luís XIV começou a ser usada a expressão “L’etat c’est moi”. É a frase que marca um período de absolutismo. Há, no entanto, situações em que cabe apenas a quem preside fazer certas coisas. A frase tem fundamento e aplicação para certas e determinadas situações que cabem unicamente a uma pessoa fazê-as. No caso das câmaras, uma delas é a representar o município. Mal ou bem, cabe apenas ao Presidente da Câmara, em nome do município fazer certas coisas. Os votos de Boas Festas que são dados aos munícipes devem ser exclusivamente apresentados por quem representa o município. Assim aconteceu com todos os presidentes, até ontem! Ontem o Vicente decidiu assumir uma estranha bicefalia na câmara e desejou, com o símbolo da câmara e com carácter institucional, as Boas Festas juntamente com a Cidália. Até poderia ser normal não fosse o facto de esses votos terem sido assinados pelo “Presidente” e pela “Vice-Presidente”. E aqui está o problema! Os votos de Boas Festas ou eram apresentados exclusivamente pelo Presidente em nome do município e de todos os eleitos ou fazia-o em conjunto com quem quisesse mas nunca assumindo a qualidade de “Presidente” mas somente de um mero eleito que em nome pessoal deseja as boas festas a quem quiser. O comunicado assinado pelos dois traduz-se uma clara falta de respeito pelos demais eleitos já que colocou a assinar os votos de boas festas quem não devia ter colocado a assinar. Os demais eleitos, e são cinco, foram colocados de parte sem motivo justificativo. A Vice-Presidente, a meio tempo, não podia ter assinado aquelas Boas Festas e estamos curiosos para saber se hoje vai ser apresentado um pedido de desculpas aos demais eleitos ou se vai ser dada uma justificação para o facto de a representação da câmara ter sido dividida.


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

4 Comentário em ““Le mairie sont deux””

  1. Ernesto Silva

    Quem não sabe é como quem não vê. Cada dia que passa solta-se um “coelho” debaixo de uma pequena malabarice. Ou então parecem os pombos correios na procura do Norte quando querem chegar mais cedo as suas casas. E perguntamos de novo para que servem os jarrões decorativos tipo Luís XIV ou Luís XV que estão por ali e que fazem aumentar o valor com as Despesas de Pessoal. Os finais de meses são tão docinhos, mais parecendo que todos os 12 meses são sempre Natal.

  2. Avatar

    Esta gente sabe lá o que é protocolo, respeito e demais normas institucionais, tadinhos foram feitos à pressa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

  
Please enter an e-mail address