CMMG

esgotoOntem, na reunião de câmara, um munícipe foi reclamar contra o facto de num dos lugares do concelho há quem despeje os esgotos na rede de águas pluviais. Nada de novo uma vez que não é um caso isolado. Um pouco à semelhança do que acontece aos que despejam os esgotos a céu aberto, fazê-lo para a rede de águas pluviais vai dar no mesmo. Esta deverá ser uma daquelas situações em que a cidadania não funciona mas que, felizmente, não é generalizado. Na situação que ontem foi relatada o Vicente afirmou que já tinha conhecimento e que o assunto está a ser tratado. O que é estranho é que o conhecimento vem, pelo que se percebeu, desde o anterior mandato e o problema mantém-se. Não deixa de ser uma forma airosa de conseguir com que os munícipes fiquem sossegados. A ideia de que os assuntos estão a ser tratado sem que se ponha uma data para a conclusão faz lembrar o problema do jazigo que há muito é falado, é do conhecimento mas sem que tenha, até hoje, uma solução. Fica um pouco a ideia de que na câmara se segue a tese usada na anedota do homem que dá sempre razão à mulher só para não ter que a ouvir. Nesse aspecto o Vicente ganha ao seu antecessor que chutava logo para canto. O actual mantém uma esperança de uma solução, ainda que ela demore um eternidade a ser conseguida.


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

3 comentários

  1. Um caso que reflecte a falta de Cidadania mas a habitual Xico-Espertice de uns tantos.
    Então vou contar-lhe uma cena algo comum: Parte do edificado possui caves munidas com um poço que recebe as aguas subterrâneas, com ligação à rede de esgotos pluviais. normalmente através de uma bomba eléctrica. Quantos Wc e cozinhas não foram feitas nessas caves e lá vai tudo parar ao sistema de aguas pluviais? Eu conheço alguns…

  2. Se o tão prometido saneamento chegasse a mais alguns lugares como por exemplo aonde vivo à 13 anos e quando para lá fui já estava projectado….
    estas coisas se calhar não aconteciam tanto,
    mas primeiro estão as aparências, temos que parecer e depois ser

  3. Embargam-se as obras e nunca existe desfecho com demolição ou reconstrução. Deduzimos que o interesse no urbanismo do coletivo é nulo. O interesse é apanhar uns quantos euros em coimas e lixar uns tantos que fazem sombra aos eleitos!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário