Falada lá fora

CuriosoCMMG, Resinagem3 Comentários


resinagem1 (2)Esta semana foi notícia em quase todos os jornais o facto de o Cubo da Resinagem ser mencionado em algumas publicações estrangeiras. Esqueceram-se de mencionar que as fotos têm todas a mesma origem e que o que foi publicado é exactamente igual nas quatro publicações mencionadas. Usaram uma informação tal como os jornais noticiam todos o mesmo que as agências de notícias dão a conhecer. É evidente que a câmara irá usar este facto para dizer que fez algo de bom. Em termos arquitectónicos nem pomos em causa que o seja. Também o estádio em Leiria, em Aveiro, o do Sporting ou a Casa da Música no Porto são defendidos pelos que dizem perceber da matéria como sendo grandes obras. A questão está em saber se o que foi gasto e o que os entendidos na matéria dizem ser uma grande obra tem iguais vantagens para quem aqui mora e a pagou. Apenas a história poderá dizer se aquela obra é algo que deva orgulhar quem aqui vive. Para já, o que se sabe é que é uma obra que custou muito, mas mesmo muito dinheiro, que está mal aproveitada e que, a julgar pelo que tem vindo a acontecer, dificilmente conseguirá ser rentabilizada. Claro está que, em revistas ou sites de arquitectura, esta vertente não é sequer analisada. Os que irão vangloriar-se com o facto do Cubo ser mencionado no estrangeiro é bom que não se esqueçam se fazer menção ao tempo que aquele espaço está fechado, ao tempo que está literalmente às moscas. ao quanto custou e ao quanto são incapazes de lhe dar vida. Nas contas finais é tudo isso conta e não apenas o facto de uma fotografa ter mandado as fotos para quatro revistas de arquitectura.


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

3 Comentário em “Falada lá fora”

  1. Avatar

    O Cubo é como os elementos do executivo vistoso por fora mas completamente vazio por dentro.

  2. Avatar

    Enfim! Uma obra megalómana. Qualquer coisa de belo, mas que ao não servir para nada corre o risco de incorrer na categoria do mamarracho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

  
Please enter an e-mail address