O Peditório

CuriosoAurélio, CMMG, Vieira5 Comentários


A reunião da câmara de ontem foi uma das mais participadas a que já assistimos. A sala estava quase cheia de munícipes. Se por um lado isso mostra uma maior vontade de intervir, mostra também uma maior necessidade de ter respostas por parte de quem manda. Não as conseguem pela falta de comunicação que se mantém, tentam obtê-las lá! Ontem teria sido o dia ideal para o Logrado fazer os seus habituais comícios mas já não esteve presente. Perante a sua ausência, a reunião animou-se quando, a propósito da discussão de um assunto relacionado com uma estrada na Vieira, o Aurélio se ofereceu para, se necessário fosse, fazer parte de um peditório junto dos munícipes para que se conseguisse dinheiro! Escusado será dizer que, desse momento para a frente, sempre que algum vereador tinha a oportunidade, recorriam à figura do peditório como forma de resolver parte dos problemas do concelho. Podendo-se até tentar entender qual a ideia que o Aurélio tinha ao sair com essa ideia, há coisas que não podem ser ditas sob pena de se cair no ridículo! Ainda que pudesse ter tido a intenção de fazer a sugestão como que em tom jocoso, a piada não lhe saiu bem e, perante uma plateia de munícipes, não se pode dizer que o Aurélio tenha tido uma boa saída. Ainda que tentemos entender a sugestão de um modo sério, não conseguimos deixar de esboçar um enorme sorriso ao imaginarmos o que seria vermos os vereadores e o presidente andarem com uma caixinha de esmolas ao pescoço a pedir para uma estrada!

Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

5 Comentário em “O Peditório”

  1. Avatar

    Pode contar que assunto estavam a falar da estrada na vieira. Sou vieirense gostava de saber

  2. Avatar

    Caro anónimo (das 17:00). A questão tinha a ver com uma obra que está há anos para ser feita por, alegadamente, não existir verba para o efeito.

  3. Avatar

    Pois mesmo com peditório é preciso ter cuidado porque continuam a não fazer a obra ficam com o dinheiro.
    Ainda bem que alguém se lembra da Vieira já que o Vicente come muito queijo.
    Aurélio, que a voz não lhe doa.

  4. Avatar

    Estive presente e ouvi. Entendi a ironia do Aurélio, ao contrário do executivo que pareceu incomodado, muito em especial, o Vítor que tentou pôr a ridículo a “sugestão” do Aurélio, em vez de apresentar uma solução alternativa. O problema tem que ver com uma elevação na estrada, provocada pela raiz de uma árvore e que causa algum transtorno a quem por ali transita.
    Fiquei surpreendido pela reacção do executivo, que achei muito mais ridícula do que a “sugestão” do referido vereador e, houve mais duas situações que também me surpreenderam muito negativamente:
    a primeira foi verificar que dois vereadores estavam de costas para o público e quando se dirigiam a este, o tinham que fazer de esguelha, como foi o caso do Santos e da Maria João. Bastava acrescentar a mesa
    70 ou 80 cm e assim já a Alexandra poderia ficar de frente, o Santos e a Maria João, no topo, onde agora fica a Alexandra Dengucho. Nem se pode dizer que haja falta de espaço para esse efeito.
    Outra situação que não gostei de ver e me pareceu uma enorme falta de classe, foi ver o Paulo Vicente a mascar pastilha e, pasme-se, de boca aberta. Quando falava escondia a pastilha num qualquer recanto da boca e depois de falar,lá continuava o mascar interrompido. Ridículo, para quem se senta num lugar de executivo e que tem o dever de transmitir um a imagem de seriedade exemplar
    uca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

  
Please enter an e-mail address