JFM

Há uns dias ouvimos o Álvaro afirmar, em reunião de câmara, que há assuntos que são “menores” e que, como tal, não merecem sequer ser tratadas na reunião porque já deu a resposta ao jornal(isto a propósito do incidente com o chefe do gabinete jurídico da câmara que, ao que se sabe, não motivou qualquer espécie de acção disciplinar). A ideia é a de que há assuntos menores que não devem ser tratados pelas “pessoas importantes” e é algo que parece estar a ficar instituído. Se actos aparentemente de indisciplina, praticados por quem a seguir vai exigir que os munícipes sejam pessoas disciplinadas sob pena de lhes aplicar multas e que deveria dar o exemplo, são permitidos e entendidos como meras “trocas de impressões”, que levaria a que o Álvaro (o da Moita) se preocupasse também com coisas menores como é o facto de, em pleno centro da freguesia, um candeeiro ter que chegar ao ponto de se queixar que está fundido há três meses e nem assim lhe dão luz? Parece ser evidente que as “pessoas importantes” não devem ter que se preocupar com coisas menores e é quase um abuso os munícipes ou fregueses quererem que seja diferente. As “pessoas importantes”, que ocupam lugares de chefia na câmara ou nas freguesias, devem apenas preocupar-se com assuntos importantes e não com coisas menores. Afinal, o que é um acto de indisciplina ou uma lâmpada fundida quando há coisas tão mais importantes a tratar? É incrível a mania que as pessoas têm de querer que os autarcas resolvam os problemas! Eles foram eleitos para coisas importantes, para assinar protocolos, dar entrevistas, aparecer na televisão e não para tratar destas coisitas. Deixem-os estar sossegados a tratar de assuntos que lhes podem dar visibilidade e não de coisas incómodas ou sem importância. Não conseguem ver que é por estarem tão atentos a coisas importantes que a Resinagem já está a funcionar em pleno há meses; a Casa da Cultura com actuações diárias e o centro tradicional cheio de vida?! É por isso mesmo, por não perderem tempo com coisas sem valor! Já agora, será que quando a câmara estiver a apreciar uma decisão de aplicação de uma qualquer multa a um munícipe, de um qualquer processo instruído pelo que ameaçou o colega e saiu sem que processo fosse instaurado, irá pensar que há ali qualquer coisa que não está correcta? Será que não vão pensar que o munícipe que receber a multa vai achar que “uns são filhos, outros enteados” ou será que a moda de deixar alguns, os importantes, ficarem impunes está a pegar?

Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

3 comentários

  1. Se fossemos a fazer um levantamento das situações que existem no Concelho a necessitar de intervenção por parte dos serviços técnicos da CMMG, muito dificilmente o Orçamento daria para cobrir as despesas.
    Com o decorrer dos anos, mandato após mandato, as ocorrências têm vindo a aumentar a um ritmo que em algumas situações, colocam bens e pessoas em perigo.
    Tal como, conservação de vias públicas, envelhecimento instalações industriais e particulares devolutas, falhas na manutenção da rede de iluminação, desaparecimento de sinalética diversa, manutenção de espaços verdes (total esquecimento quanto a manutenção dos parques/equipamentos de diversões existentes), etc….

  2. E agora vão gastar 430 mil €uros num espaço aonde podiam ser instalados mais de 300 lugares de estacionamento, esta Câmara opta apenas por criar 108 lugares.
    Vejam o projeto e digam-me se é disto que o Centro Tradicional precisa.
    Só para os funcionários dos serviços existentes na área, o local fica cheio.
    Vejam o que acontece junto do Arquivo Municipal/Biblioteca e da EPAMAG?!… com os funcionários da CMMG e demais?!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário