Ivima esquecida

CuriosoCMMG Ivima6 Comentários


Ainda muitos se lembram o que era ver os muitos vidreiros que ali trabalhavam saírem minutos após o toque do apito. As dezenas de bicicletas que inundavam a estrada eram uma das imagens que marcou a terra. Anos depois, o local transformou-se num local de consumo e venda de droga. Recentemente a empresa que ficou com as instalações fez obras e deu, ao abrigo da lei do mecenato, aquelas instalações à câmara. Tudo foi feito de acordo com o que estava no acordo. Apesar do PS ter sido sempre contra a realização daquela obra e ter sido sempre mais impulsionada pelo PCP, o Álvaro agora gaba-se de ser mérito seu!  Mas, como já era previsível, aquilo que era para estar já a funcionar como uma creche continua sem utilização. Sem que se perceba a razão, nada avança naquele local. O velho edifício deu lugar a um novo, reconstruído, mas tudo parou quando a obra foi entregue a quem manda na câmara. Claro que agora deverá haver a desculpa da Lei dos Compromissos e outras tantas desculpas para justificar o facto de agora tudo estar parado. Temos esperança que no próximo ano, com as eleições à porta, a cresce possa finalmente funcionar e, ainda que seja para que o Álvaro possa tentar ganhar uns votos, que se veja que o investimento ali feito não fica votado ao esquecimento.


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

6 Comentário em “Ivima esquecida”

    1. Avatar

      mas os privados não somos todos nós!? uiiii….que arrepio!! feudalismo é o que se quer, um governo a tomar conta de tudo, tachinhos, cunhas, favores etc…

  1. Avatar

    Segundo consegui apurar, a 1ª fase (responsabilidade da B&A – recuperação da estrutura do edificio e exteriores) está concluida. Agora na 2ª fase entra a CMMG e a Segurança Social, primeiro com a divisão do espaço interior, acabamentos e por fim os equipamentos.

  2. Avatar

    Era uma boa negócio para a Marinha, mas depois a Aviação e o Exército também quizeram a parte deles e agora não se sabe por onde cortar.

Deixar uma resposta