CMMGFlores

Agora que temos possibilidade de tirar uns dias para sair da terra, fomos dar um passeio por outras cidades onde, tínhamos esperança, poderíamos encontrar algum movimento uma vez que estamos cansados de nada acontecer. Estamos agora por Braga onde se vê movimento, crescimento e desenvolvimento. De entre as muitas coisas que gostámos de ver, uma deles deixou-nos com sentimento de querer que na nossa terra sigam este exemplo. Quando na terra passamos por uma rua ou mesmo pelos parques, o que vemos é cimento e relva. Não existe cor nem nada que nos desperte a atenção. Deverá ser por isso que muitos consideram a Marinha uma terra feia. Aqui, ao contrário de lá, o que aqui se vê são jardins com flores, com cor, com cheiro. Dá gosto aqui andar na rua e nos jardins. São coisas destas, pequena e de quase investimento nulo, que a nossa terra precisa. Para isso basta ter imaginação e vontade de fazer alguma coisa. Será que quem manda na câmara não tem olhos para ver que não é caro nem difícil tornar a nossa terra mais bonita e num sitio mais agradável para se viver. É que bastava olharmos para as flores que esquecíamos tudo o que de mal existe por lá! 


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

15 comentários

  1. O Sr acredita mesmo no que está a dizer ou é mesmo uma pessoa que só serve para falar mal de tudo e de todos. Acredita mesmo que as pessoas que vivem em condições miseráveis em todo o país, chegando a passar fome, ao olharem para a flores e esqueciam tudo e ficavam felizes. Ehehehe… o Sr estavam bem eram em humorista, mas daqueles que são tão “bons” que em vez de rir nos faria chorar com tanta parvoíce que diz…

    • Caro Rosinha. Provavelmente será dos que se contenta com o que tem. Nós não! Quanto ao ser humorista tem alguma razão. Conseguir viver nesta terra sem se entrar em depressão só mesmo com uma grande dose de humor e loucura. Quanto às parvoíces que diz que se escrevem, tentamos escrever de modo a que possa perceber!

    • Por acaso acha que não perceberia se escrevesse de outro modo? Além disso eu não me referia ao modo como escreve mas sim ao conteúdo dos seus “artigos”.

    • Caro(a) Rosinha, o teor do que aqui se escreve reflecte a opinião sobre cada tema. Naturalmente que nem todos terão que concordar. A diferença está no facto de, podendo nós não concordar com o que seja a sua opinião, não a consideramos parvoíce, por mais conformista que possa ser com o que se passa à nossa volta.

  2. Portanto senhores autarcas portugueses deixem de ser ignorantes e toca a fazer jardins por este país fora que imediatamente todos ficaremos felizes e alegres e, crise? Qual crise, temos flores para ver meus senhores de que mais precisamos? Vá lá, O SR CURIOSO AO PODER, porque de facto o nosso país seria muito melhor com esta mente brilhante a governar…Candidate-se Sr curioso, porque o meu voto já é seu….Como é que nunca ninguém se tinha lembrado disto…parece impossível

    • Caro Rosinha. Há quem se lembre disso e torne a vida dos munícipes mais agradável, apesar da crise em que se vive. Não é é cá, infelizmente Quanto ao poder, agradecemos o seu voto mas não temos aspirações a tal.

  3. Sr Curioso tenho um reparo a fazer, o Sr não distingue o masculino do feminino? Que eu saiba Rosa é um nome feminino, pelos menos isto ainda não mudou. Por isso pare de e chamar Caro Rosinha porque eu sou muito feminina. Obriada.

  4. Tem toda a razão, mas eu não me escondo atrás de pseudóminos, não tenho problema nenhum em utilizar o meu nome verdadeiro, até porque ainda estou num país livre e sou livre de expressar a minha opinião. Se eu não me quisesse identificar entrava como anónimo.

  5. Sr Macaco Curioso, não é preciso ir para Braga, para ver aqui perto, jardins bonitos e bem arranjados com gosto e com materiais da n/Região, bastava o Sr ter mais atenção quando andou pela Vieira e pela Praia da Vieira e regalar-se, com os lindos e simples arranjos ajardinados que lá estão, mas isso os seus olhos tão observadores não viram.

    • Caro Anónimo. Temos que reconhecer que nas ruas se vê algum cuidado mas ele vem, ao que percebemos, das pessoas e não tanto de acção da câmara. A vantagem de ser uma localidade mais pequena permite uma maior proximidade das pessoas.

    • Das pessoas? Então não são funcionários da Junta de Freguesia ou da Camara, uma localidade mais pequena? Seja sério e ponha o nome nas coisas, não lhe convém, diga as pessoas da Vieira são pessoas trabalhadores e asseadas, quer os funcionários quer os residentes, tratam bem o BEM CUMUM, isso faz toda a diferença.

    • Porque é que as pessoas da Vieira que aqui comentam têm sempre um discurso separatista? Não fazem parte do mesmo concelho que os restantes? Fazem lembrar o João Jardim.

  6. Os Vieirenses, não são separatista, nem querem ser, vocês é que nos olharam, quase, sempre como enteados, a n/Freguesia só teve desenvolvimento, com os Presidentes Dr Artur Barros e com o Sr Álvaro Orfão, e com a persistência dos n/Presidentes de Junta que olharam para a Vieira.
    Como sabe os Vieirenses são uma grande força de trabalho na Marinha Grande, por acaso, lembram-se da cega-rega que foi a construção da estrada que liga a Vieira à Marinha Grande, é um grande exemplo.

  7. O anónimo anterior ou anda distraído ou gosta de ser enganado.
    Lembre-se lá bem e veja quem é que fez as grandes obras na Vieira. Foi nos mandatos da CDU – Estrada Vieira Praia, Mercado Municipal, Pavilhão Gimno-Desportivo, piscina, abastecimento de água, saneamento,etc.
    E isto para lembrar as mais relevantes.
    Agora o senhor vir dizer que só teve desenvolvimento com o PS é completamente falso – o senhor mente compulsivamente unicamente por cegueira política.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário