Livros para todos

Categoria CMMG, Escola by Curioso5 Comentários


Man_Carries_Heavy_Box-1md_2Este ano, à semelhança do que antes aconteceu, a câmara irá oferecer os livros às crianças do primeiro ciclo. De todas as medidas que foram tomadas pelo executivo camarário, esta é daquelas contra a qual temos muito pouca coisa a dizer. Numa primeira vista parece ser uma medida totalmente acertada. Há um ano criticamos o facto de não ser alargado a mais níveis de ensino. Agora que se sabe que, passado um ano, tudo vai ficar igual, não podemos deixar de fazer um reparo. Sabe-se que estamos em tempo de crise e que as dificuldades por que muitos passam são já muito consideráveis e maiores do que há um ano atrás. Há, contudo, aqueles que ainda conseguem passar ao lado da crise e não sentem muita dificuldade. A ideia de pagar os livros a todas as crianças, sem distinguir aqueles que precisam dos que não precisam, trás alguma injustiça e impede que se possam destinar verbas para aqueles que, estando já no segundo ciclo, poderão ficar privados de livros para poderem obter o conhecimento necessário. Dar um tratamento justo não é o mesmo que dar um tratamento igual. Justo é permitir que todas as crianças possam ter escolaridade em condições mesmo que isso implique que aqueles que não precisam possam ter que pagar os livros para que outros disso possam beneficiar. Se a medida da câmara foi acertada, achamos que merecia ser ajustada de modo a permitir ser alargada a todos aqueles que, podendo já não estar no primeiro ciclo, possam necessitar de ajuda.


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

Comentários

  1. Avatar

    Boa a medida, o nosso Município não fez distinção entre pobres e ricos, as famílias que não precisam deste apoio, ficava-lhes bem, que entregassem o dinheiro deste apoio, á acção escolar das escolas dos seus filhos para custear outras actividades.

  2. Avatar

    Como professora gostaria de esclarecer:
    1º A competência de apoios sociais aos alunos do Pré-Escolar e aos alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico é das autarquias;
    2º A competência de apoios sociais aos alunos dos 2º, 3º Ciclos e Secundário é do Ministério da Educação através dos serviços de ação social escolar.
    A nossa autarquia, e muito bem,no âmbito das suas competências disponibiliza aos alunos transportes, refeições, atividades de enriquecimento curricular e oferta dos livros escolares a todos os alunos do 1º Ciclo.
    Lembro a lei de bases do sistema educativo, aprovada por unanimidade pela Assembleia da Republica, que previa que a escolaridade obrigatória é “universal e gratuita”, sendo assim a nossa Câmara mais não faz do que dar cumprimento à lei numa ação que deveria ser exemplo para a administração central.
    A nível das competências do Ministério da Educação, para os restantes niveis de ensino, os alunos com carências sócio-económicas tambem têm os livros gratuitos. Pena é que essa gratuitidade não seja universal como prevê a lei que obteve unanimidade na sua aprovação e que só a nossa Camara a cumpre no âmbito das suas competências.

    Aqui vai a transcrição da lei
    “Artigo 6º
    Universalidade
    1 – O ensino básico é universal, obrigatório e gratuito e tem a duração de nove anos.
    2 – Ingressam no ensino básico as crianças que completem 6 anos de idade até 15 de Setembro.
    3 – As crianças que completem os 6 anos de idade entre 16 de Setembro e 31 de Dezembro podem ingressar no ensino básico se tal for requerido pelo encarregado de educação, em termos a regulamentar.
    4 – A obrigatoriedade de frequência do ensino básico termina aos 15 anos de idade.
    5 – A gratuitidade no ensino básico abrange propinas, taxas e emolumentos relacionados com a matrícula, frequência e certificação, podendo ainda os alunos dispor gratuitamente do uso de livros e material escolar, bem como de transporte, alimentação e alojamento, quando necessários.”
    Cumpra-se a lei e deixemo-nos de demagogias.
    A nossa Câmara neste aspeto tem andado muito bem.

  3. Avatar

    Pois… só que a câmara (várias gestões de diferente modo) esquece-se que a escola do primeiro ciclo funciona todo o ano. Basta perguntar aos professores (não só aos professores do PS) o que se passa com o apoio da câmara durante todo o ano. Quanto às actividades de complemento curricular, sendo uma boa medida em teoria,foi implementada de forma torta e continua torta!… Estas atividades são asseguradas por empresas contratadas, onde os profissionais ganham muito mal e não têm quaisquer condições de trabalho! Neste contexto, esta medida da câmara terá tanto de justo como de populista.

  4. Avatar

    Tinha que ser, a medida nasceu torta, o importante é que nasceu e vamos esperar que se endireite.
    Quanto aos trabalhadores das ditas empresas, que reclamem os seus direitos juntos dos respectivos Sindicatos, é bom não misturar alhos com bugalhos…

Deixe um comentário

  
Please enter an e-mail address