CMMG

Desde que nos lembramos de ser gente, que sempre que passámos ao lado do campos do atlético que víamos umas instalações menos cuidadas. Nunca ali vimos serem feitas beneficiações de monta. Agora veio a polémica do relvado que ali vai ser colocado à borla, pago por todos nós. Como se não fosse suficiente, além da colocação do relvado em troca da utilização do estádio, os custos da câmara não se ficam por aí. O muro vergonhoso que ali existia dará lugar a um passeio. O clube até fica a ganhar. As ervas daninhas e muro a cair dá lugar a um acesso para peões. Mas, mais uma vez, não conseguimos entender os critérios usados pela câmara! Que leva a vereadora, que “não é burra”, a propor e ser aprovado pela câmara a colocação de 180 metros de rede de vedação no campo? Que leva a que o ACM seja mais uma vez tratado de forma desigual em relação aos outros clubes quando há até quem tenha mais atletas? Que leva a que a câmara suporte mais custos quando outros clubes se vêm em apuros com contas por pagar, porque não tiveram o privilégio de ter relva posta à borla?


Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

14 comentários

  1. Aquando da assinatura do acordo entre o União de Leiria e a CMMG foi questionado ao Álvaro o porquê da escolha dos clubes para atribuição dos relvados. Na altura este justificou que o tempo que dispunha para decidir não permitiu uma decisão justa mas que era imperativo decidir quais os clubes que teriam a referida”vantagem”. Agora somando tantas vantagens torna- se difícil perceber o porquê de mesmo quando as decisões são tomadas com uma margem de tempo considerável continuam a salvaguardar os interesses dos mesmos!

  2. Só ouço falar do sintético do ACM e todas as polémicas daí adjacentes.
    E não ouço falar daqueles a quem o ACM deve, nomeadamente a mim e aos meus colegas atletas e não só, que sempre demos o melhor pelo clube.
    Será que esta direção vaidosa e a “Troika” que está por trás, só pensam no seu protagonismo.

  3. Eles vão é vender o património e hipotecar o que restar como fizeram no passado e quando o clube tiver de pantanas fogem que nem ratos.Quem vier a tráz que feche a porta,esta é a filosofia despesista daqueles que querem mostrar serviço e serem vaidosos à custa do dinheiro dos outros.Quanto à Camara não tem regras nem critérios para apoiar os clubes e navega à vista em função das press~oes politicas do momento e como na actual direcção quem manda e sabe tudo é o Presidente da A Geral,a Camara está de pernas abertas para tudo fazer com manifesto prejuizo dos outros clubes da terra,desigadamente do S Lisboa e Marinha que também não diz nada pelo facto de o Presidente da Camara ser seu apoiante.Cumplicidades que não servem a terra nem o Clube !

  4. Eles vão vender e hipotecar o património .É o Que sabem fazer como já o demostraram no passado.Delapidam o que não é seu e quem vier a tráz que feche a porta.Há que alimentar o protagonismo dos actores para que saiam bem nas suas vaidades à custa do Clube.
    Quanto à Camara não tem critérios de apoio e navega à vista em funções das pressões politicas e como quem manda é o Presidente da A.Geral,distinto membro do PS,tudo é permitido e feito,com manifesto prejuizo dos outros clubes,nomeadamente do S.Lisboa e Marinha que não diz nada,talvez pelo facto do Presidente da Camara ser ser apoiante.Enfim,cumplicidades podres e vergonhosas que não servem a terra nem os clubes.

  5. @Anónimo Caro anónimo. Pensamos que terá querido colocar este comentário no post anterior. Sabemos que as Escolas Academia Sporting Marinha Grande estão inscritas como clube desportivo. Sabemos também que são propriedade de uma sociedade comercial (com fins lucrativos) o que faz manter o que escrevemos no anterior post. A que título uma sociedade comercial, desenvolva ou não uma actividade desportiva, deverá beneficiar da utilização de espaços públicos à semelhança dos clubes sem fins lucrativos quando qualquer outra sociedade para poder usar espaços públicos tem que pagar?

  6. Uma vez mais demonstram a vossa ignorância e má fé. Se a EAS MG está inscrita como clube desportivo é porque o é. A propriedade de um clube desportivo é dos sócios, os quais são pessoas singulares. Trata-se por isso de uma entidade sem fins lucrativos. Pelo contrário, se fosse uma SAD, teria fins lucrativos e os accionistas poderiam ser pessoas colectivas com ou sem fins lucrativos. De onde as frases “Sabemos também que são propriedade de uma sociedade comercial (com fins lucrativos)” e “A que título uma sociedade comercial, desenvolva ou não uma actividade desportiva, deverá beneficiar da utilização de espaços públicos à semelhança dos clubes sem fins lucrativos quando qualquer outra sociedade para poder usar espaços públicos tem que pagar?”
    são completamente falsas e atentatórias. A CMMG não faz mais do que cumprir os critérios que existem em relação aos clubes desportivos, podendo estes critérios ser objecto de discussão ou discordância.
    Aconselha-se por isso os autores deste blogue a serem mais rigorosos naquilo que escrevem, não pondo em causa o direito ao bom nome das pessoas e das instituições, procurando lançar uma nuvem de suspeita sobre situações claras e transparentes. Pois quem não assume publicamente as suas mentiras poderá ser confrontado com as suas consequências.

  7. @Anónimo Caro anónimo. Tanto quanto sabemos a entidade proprietária é uma sociedade comercial, pelo menos assim consta nos registos oficiais (Lagoinha Park – Desporto e laser, Lda). Esta sim terá sócios que são pessoas singulares e estas sim não têm fins lucrativos. A sociedade tem fins lucrativos. Mas se algum erro existe, poderemos sempre rectificar o texto. Basta que nos faculte informação que isso demonstre.

  8. @Anónimo Apenas para complementar, deixamos aqui a afirmação que obtivemos de um deputado municipal: “Quanto à necessidade de actualização do regulamento de apoio à actividade desportiva levantada pelo deputado Telmo Ferraz, disse que relativamente ao evento levado a efeito pelo Lagoinha Park, tinha pedido vários pareceres, designadamente aos diversos técnicos do Município, incluindo um parecer jurÌdico, e que a informação obtida tinha sido que no cumprimento da imposições legais a Câmara estaria impedida de apoiar uma entidade privada.” (pode consultar aqui).

  9. Se calhar é melhor substituir a fotografia do macaco pela fotografia do amigo do Shrek!
    A EAS MG é uma coisa e a Lagoinha Park é outra! A EAS MG é um clube desportivo sem fins lucrativos e é propriedade dos seus associados, PESSOAS SINGULARES! A acta que referem diz respeito a 2009 e ao apoio pedido para um evento pontual (torneio internacional) levado a cabo pela Lagoinha Park, uma sociedade comercial (LDA), COM FINS LUCRATIVOS! Nada disso tem a ver com o tempo concedido ao clube EAS MG, CLUBE DESPORTIVO SEM FINS LUCRATIVOS, para utilização do sintético municipal.
    Perceberam ou é preciso fazer um desenho?

  10. @Anónimo Caro anónimo. Permita que transcreva o que consta do blog das EAS MG / LP: “Clara Gomes, proprietária da escola da Academia do Sporting da Marinha Grande (…) A proprietária da escola lembra que aquele estabelecimento (…)” ( link. Proprietário não é associado e o texto é o que consta no blog do clube / sociedade. Cabe a cada um interpretar como achar correcto.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
Please enter an e-mail address

Postar Comentário