Campanha

Categoria S. Pedro, Soares, Sócrates by Curioso1 Comentário


O Primeiro Ministro, José Sócrates, está andando tranquilamente quando é atropelado por um condutor das corridas da Ponte Vasco da Gama e morre ali na hora.

A alma dele chega ao Paraíso e dá de caras com São Pedro na entrada.

-“Bem-vindo ao Paraíso!”; diz São Pedro
-“Antes que você entre, há um problemazito… Raramente vemos Políticos por aqui, sabe… então não sabemos bem o que  fazer com você..”
-“Não vejo problema nenhum, basta deixar-me entrar”, diz o antigo Primeiro Ministro José Sócrates
– “Eu bem que gostaria de o deixar entrar senhor Engenheiro, mas tenho ordens superiores… Sabe como é… Vamos fazer o seguinte:
O Senhor passa um dia no Inferno e um dia no Paraíso. Depois pode escolher onde quer passar a eternidade.”
-“Não é necessário, já resolvi. Quero ficar no Paraíso” diz o Primeiro Ministro.
-“Desculpe, mas temos as nossas regras.”‘
Assim, São Pedro acompanha-o até o elevador e ele desce, desce, desce até o  Inferno.
A porta abre-se e ele vê-se no meio de um lindo campo de golfe.
Ao fundo o clube onde estão todos os seus amigos e outros políticos com os quais havia trabalhado.
Todos muito felizes em traje social.

Ele é cumprimentado, abraçado e eles começam a falar sobre os bons tempos em que ficaram ricos às custas do povo.

Jogam uma partida descontraída e depois comem lagosta e caviar. Quem também está presente é o diabo, um tipo muito amigável que passa o tempo todo dançando e contando piadas.
Eles divertem-se tanto que, antes que ele perceba, já é hora de ir embora.
Todos se despedem dele com abraços e acenam enquanto o elevador sobe.

Ele sobe, sobe, sobe e a porta abre-se outra vez. São Pedro está a espera dele.
Agora é a vez de visitar o Paraíso.
Ele passa 24 horas no paraíso, junto a um grupo de almas contentes que andam de nuvem em nuvem, tocando harpas e cantando.
Tudo vai muito bem e, antes que ele perceba, o dia chega ao fim e São Pedro retorna.
-“E então??? Você passou um dia no Inferno e um dia no Paraíso.”
Agora escolha a sua casa eterna.’ Ele pensa um minuto e responde:
-“Olha, eu nunca pensei… vir a tomar esta decisão… O Paraíso é muito bom, mas eu acho que vou ficar muito melhor no Inferno.”
Então São Pedro abanando com a cabeça, leva-o de volta ao elevador e ele desce, desce, desce até o  Inferno.
A porta abre-se e ele vê-se no meio de um enorme terreno baldio cheio de lixo e com um cheiro horrível.
Ele vê todos os seus amigos com as roupas rasgadas e muito sujas catando o entulho e colocando-o em sacos pretos, repara que por vezes os amigos se pegam á porrada na disputa de pedaços de comida podre.
O diabo vai ao seu encontro e passa o braço pelo ombro do Primeiro Ministro.
-“Não estou a entender?!”, – gagueja o Governante – “Ontem mesmo eu estive aqui e havia um lindo campo de golfe, um clube, lagosta, caviar, e nós dançamos e nos divertimos o tempo todo. Agora só vejo esse fim de mundocheio de lixo mal cheiroso e os meus amigos totalmente arrasados!!!”
O diabo olha para ele… sorri ironicamente e diz:
-“Ontem estávamos em campanha. Agora, que conseguimos o seu voto… eis a realidade”

Nota: Isto é apenas uma anedota. Não sonhem os que acreditaram ser verdade o que estava no primeiro parágrafo!

Seguir
( 0 Seguidores )
X

Seguir

E-mail : *

Comentar com conta do Facebook

comentario(s) no Facebook

Comentários

  1. Avatar

    A brincar a brincar …
    Agora a sério para dizer queesta história não sendo original é muito oportuna neste momento de campanha eleitoral.

    A propósito lembrei-me do tão propagado estado social.
    Promete-se “campo de golfe e as lagostas” e depois temos os marcadores de consulta nos posto médico, quem pode não vai ao centro de saúde mas paga a um médico particular, não pode esperar que o hospital o chame para fazer uma operação mas paga ao cirurgião, etc, etc.
    Também na economia não se diz que estamos no inferno e que em junho não haveria dinheiro para pagar salários sem o apoio do FMI, os país não tem crédito e os bancos só tinham (parece que já não têm) crédito a não ser no BCE.

    Quando algum adversário diz a verdade sobre medidas impopulares, mas que têm de ser tomadas, é imediatamente enxovalhado. Parece que vale tudo.

    No dia em que os votos em branco significarem cadeiras vazias no parlamento talvez a coisa comece a mudar.

Deixe um comentário

  
Please enter an e-mail address